Labels

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Não há como avançar olhando para trás


“Assim que os tiraram da cidade, um deles disse a Ló: Fuja por amor à vida! Não olhe para trás e não pare em lugar nenhum da planície! Fuja para as montanhas, ou você será morto! (...) Mas a mulher de Ló olhou para trás e se transformou numa coluna de sal.”Gênesis 19:19 e 26

Nunca é fácil tomar decisões, dizer “nãos”, fechar portas, virar páginas, derrubar o que foi mal edificado para reconstruir, aceitar perdas, ver outros ficando para trás enquanto avançamos, pois dentro de nós arde uma dor profunda, a dor de ver que quem esteve ao nosso redor não acompanhou nossos passos, não teve coragem de deixar os mortos enterrarem seus mortos, ficando velando os cadáveres de situações que não mais trazem vida por já terem perdido as suas.

Não há nada de amor ao próximo nesta aparente situação de solidariedade, pelo simples fato de não termos como fazer com que as pessoas que nos cercam aceitem trilhar o Caminho da Vida na marra, deixando para trás o que traz a morte e a destruição.

Muitos estão iludidos com as luzes das “Sodomas e Gomorras”, mas não se dão conta que estas luzes são fogo e enxofre caindo dos céus para sua destruição. Como continuar trilhando então? Como discernir os tempos? Como saber onde investir, edificar e criar raízes?

Como certa vez citou o Gondim em uma mensagem anos atrás, “um caixa de banco reconhece uma nota falsa no meio das demais não pelo fato de ter estudado todas as técnicas de todos os falsários do mundo, mas pelo simples fato de conhecer tão bem uma nota verdadeira que qualquer outra coisa que passe por suas mãos seja imediatamente identificada."

E desta forma temos caminhado por estes dias tenebrosos, esbarrando com verdadeiras obras de arte de perfeição e fidelidade ao que é original, mas não tendo o selo de autenticidade. E isso dói, pois vez ou outra nos apegamos até ao que não é verdadeiro por conta de nossas carências. Sabemos que aquilo não é bom, "mas aqui no peito tá doendo tanto, estou tão sozinho, preciso tanto de uma dose a mais de algo que me entorpeça para esquecer as dores do mundo que aceito esta cópia quase perfeita"...

Nossa, não esperava que pendesse para este lado relacional, pois apenas acreditava estar escrevendo sobre locais físicos ou circunstâncias, mas somos seres holísticos (vão me chamar de Nova Era, mas falo "aristotelicamente"...) e não existe nada “solto” e “sem razão”, pois tudo o que nos cerca faz parte de nossas vidas, influenciando direta ou indiretamente nosso ser.

Espero não esta viajando demais. O real intento destas linhas é mostrar que costumamos achar que somos obrigados a ter o controle de tudo o que acontece conosco e com quem está ao nosso redor, mas não temos como evitar que estes tirem suas próprias conclusões e tomem suas próprias decisões sobre como, o quê e quando fazer ou deixar de fazer algo.

Quando, porém, vem a calamidade ao nosso redor, olhamos para o lado (e não para trás) e vemos que alguns ficaram pelo caminho, por terem-se apegado ao que para trás ficou contra sua vontade. Mas a vida não nos dá a opção de retroagir! Temos que avançar sempre, cuidando daqueles que conosco decidem andar pelo Caminho da Vida, mas – ainda assim – sem o poder de obrigar ninguém a se manter em níveis mínimos de lucidez, necessários para continuar...

Nem Jesus fez isso! Em seu peito doeu ver o “jovem rico” que d’Ele se aproximou querendo saber como herdar a vida eterna, mas não estava pronto para largar tudo para trás e o seguir (Marcos 10:17-22).

Da mesma forma, vemos nos Evangelhos que, “Quando andavam pelo caminho, um homem lhe disse: "Eu te seguirei por onde quer que fores". Jesus respondeu: "As raposas têm suas tocas e as aves do céu têm seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde repousar a cabeça". A outro disse: "Siga-me". Mas o homem respondeu: "Senhor, deixa-me ir primeiro sepultar meu pai". Jesus lhe disse: "Deixe que os mortos sepultem os seus próprios mortos; você, porém, vá e proclame o Reino de Deus". Ainda outro disse: "Vou seguir-te, Senhor, mas deixa-me primeiro voltar e me despedir da minha família". Jesus respondeu: "Ninguém que põe a mão no arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus". – a Lucas 9:57-62

É isso o que quero dizer. Sei que dói, não é o que gostaríamos de ver acontecendo ao nosso redor, mas não temos – assim como Deus não tem, por Ele nos dar a opção de não segui-lo – como estar no controle das decisões pessoais de cada um. Atrás de nós, se nos fosse permitido olhar nesta direção, veríamos diversas estátuas de sal, daqueles que iniciaram ao nosso redor, mas optaram em amar mais o presente mundo do que o Reino de Deus e sua Justiça.

Não falo isso com alegria, mas com temor e tremor perante Deus e os homens. Sei que é difícil para alguns aceitarem nossas decisões, sei que não agradamos muitos por não ficarmos por mais tempo na inércia que eles se encontram, apenas deixando as coisas tomarem seus rumos, pois estamos escrevendo a História, não somos apenas coadjuvantes, figurantes nesta peça gigantesca que é a história da humanidade.

Post Scriptum: Recentemente, tive que tomar algumas decisões relativamente radicais, mas o fiz somente para não me tornar um cínico – não no sentido da corrente filosófica grega que pregava essencialmente o desapego aos bens materiais e externos – mas no sentido pejorativo dos dias de hoje que significa se tornar uma pessoa sem pudor, indiferente, à minha consciência e ao sofrimento alheio e que em nada se assemelha a origem filosófica da palavra.

Meus valores estavam em xeque, não tinha eu como avançar em uma direção contrária ao que considero como caminho, não havia como fazer concessões, por mais que o “prêmio” final fosse algo que desejasse muito. Neste caso, “os meios não justificavam os fins”. Perderia muito tempo com coisas infrutíferas, e já não estou mais na idade de jogar meu tempo fora em troca de algo que me faria estar em comunhão com uma filosofia oposta a tudo o que creio.


E assim termino, sem fim, pois a história ainda está sendo escrita e acho que falei demais...

Reações:

3 comentários:

  1. Obaaaaaaaa a igreja invisível em ação :)

    Rpz... Pra mim, vc nunca fala demais. Adoro me embriagar nessa overdose de letras vindas da tua alma.

    Pois é... Num dá pra ser feliz olhando pra trás. Euzinha que o diga, fio! Há de se deixar para trás tudo que nos contamina e destrói.

    E quando se sabe o que se tem à frente, se deixa tudo que não serve, sem saudade nem dor. E segue-se firme, sem olhar para trás!

    Valeu muuuuito pelo texto!

    Bjs intu e na Ci

    R.

    ResponderExcluir
  2. Passei e encontrei seu blog, li algumas coisas, seu blog é muito bom, quero deixar um incentivo: Continue a deixar-se guiar pela grande vontade de Deus, continue a ouvir a voz do Espírito Santo, e a escrever o que você sabe que é a vontade de Deus, tanto para ganhar outros para Jesus, quer incentivar nossos amigos a ficarem mais perto do nosso Deus. Deixo também um convite, mas é apenas se o quiser fazer, pertencer aos meus amigos no Peregrino E Servo, claro que irei retribuir.Um obrigado,e muita paz de Jesus.

    ResponderExcluir
  3. Querido Antonio, obrigado pela visita! Agradeço também pelas palavras de incentivo, pois há momentos que estamos tão cansados, sentindo-nos tão "sozinhos" (eita drama...) que palavras de ânimo recarregam nossas baterias!

    Grande abraço e aceito o convite, como fazer??

    JC

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...