Labels

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Relação dinâmica ou relação departamentalizada?



As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem.” – João 10:27

Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.” – Gálatas 2:20

Use seu lado “matemático” e “some” estes dois versículos. Se não conseguir chegar a um resultado harmônico, sua relação com Deus é burocrática e departamentalizada. Se a soma fez sentido, acredito que sua relação com Deus seja viva e dinâmica.

Quanto você ouve falar de Deus, de Jesus, dessa coisa de “servir a lei dos crentes” ou “virar evangélico”, pecado, dízimo, pastor e o que mais aparecer no rol da “religião evangélica”, tudo é estranho e você tem certa aversão. Termos religiosos, gente chata, vestidão, cabelão, Bíblia, terno surrado e gravata, pregando na praça, falando coisas estranhas...

Você pensa: “Isso é religião e todas as religiões são iguais. Afinal de contas, todos os caminhos levam a Deus”, para ser – ao menos – politicamente correto. Um dia você topa visitar uma igreja, pois seu amigo/parente chato já fez você esgotar a lista de desculpas para não aceitar o insistente convite. Deixando o grosso do dinheiro em casa (para evitar surpresas), assiste a reunião e – digamos que na primeira delas – acaba levantando a mão no apelo e “virando evangélico” pra quem te convidou parar de te encher o saco ou por realmente ter sentido algo diferente.

Frequentando as reuniões, cai-se em algum extremo. Na maioria das vezes, o do radicalismo, passando a crer que tudo o que vivia antes era do diabo. Joga fora uma porrada de coisas, não frequenta mais os mesmos lugares de antes, não convive com os velhos e bons amigos, para de fumar, para de beber, para de torcer pra algum time de futebol, não ouve mais música “do mundo”, enfim: Se torna um porre (ou melhor, uma ressaca...).

Tudo o que vai fazer agora passa a depender de revelação profética, conselho do pastor, oração com as irmãs e irmãos, jejum. Desta forma, evita-se cair nas tentações do passado não tão distante e que insiste em rondar a porta. Torna-se então cada vez mais e mais engajado nas atividades da igreja, frequentando todos os cultos possíveis, todas as atividades “extraclasse”, incluindo a escola dominical, vigílias, correntes, visitas e o que mais caiba nas 24 horas diárias.

Todos passam a te respeitar dentro das quatro paredes, enquanto sua vida “pregressa” passa a ser apenas uma lembrança amarga, falada apenas para servir de exemplo do que não se pode ser ou fazer. Nada antes foi bom, tudo foi feito pra desonra e inglória do Senhor, mas agora você se torna mais cristão que Cristo (que, por sinal, não era cristão, mas aí são outros quinhentos...).

Começa a ouvir dizer ou presenciar que um ou outro “caiu em pecado” ou que “desviou dos caminhos do Senhor”, agarrando-se cada vez mais à instituição-igreja... Com unhas e dentes. Vai que é contagioso? Assim, você - uma espécie de anti-herói - acaba se tornando um insuportável rato de igreja, daqueles que ninguém suportam por muito tempo, pois tudo é “ta amarrado”, tudo tem que ser repreendido, e por aí vai.

Destes iguais a você, muitos ficam satisfeitos com os tapinhas nas costas, com os “aleluia salve salve” dos outros irmãos, com o amém do pastor e da liderança. Não há o que questionar. A “fórmula” funciona, não se mexe em time que está ganhando, não vale a pena não seguir as regras e sua relação com Deus se torna departamentalizada. Sem o sacerdote, sem o “Moisés”, a presença de Deus é insuportável.

Alguns, entretanto, sentem uma sede que cada dia só piora, fazendo com que estes busquem cada vez mais se relacionar com o Senhor, a despeito de toda a formula religiosa.

Leem a Palavra, ouvem uma certa Voz dentro de seu peito, diferente de todas a demais e percebem que as coisas não são exatamente como dita a doutrina. Humildemente se cala para não passar a imagem de insubordinados, mas este “se calar” somente adia o processo iniciado nem se sabe ao certo quando. Se conversa em “off” com outro irmão, muitas vezes são mal interpretados. Se fala sobre o que se passa no seu coração com a liderança então pior. Temem ser expulsos de um sistema religioso que o abrigou quando estava no fundo do poço, mas que na verdade serviu apenas como pronto socorro.

Alguns optam então em viver “clandestinamente” dentro da igreja, mesmo sentindo que esta opção apenas os sufoca a cada dia. Outros, ouvindo e vivendo, mergulhando e transbordando de algo novo, simplesmente percebem que não dá mais. Os 9 meses se cumpriram, o casulo se rompeu, o ovo não te comporta mais e é necessário romper a casca, sair da fase embrionária e respirar o ar de fora.

Com todo cuidado, ao mesmo tempo que com toda alegria, descobrem que o mundo não se limita ao templo, que a vida com o Senhor existe de forma dinâmica quando ele e seu amigo sentam despreocupadamente, tomando uma taça de vinho e falando da beleza ou dos problemas da vida, da criação, de Deus e de Seu Filho Jesus...

Percebe que algo diferente aconteceu dentro deles. Pensamentos nunca antes formulados de repente surgem em sua mente, um amor nunca antes vivido queima em seu peito, decisões importantes passam a ser tomadas não mais consultando os “oráculos evangélicos”, mas estranhamente por si próprio, mas não mais como antes de conhecer o Senhor. Agora “o Jesus Cristo” não é mais alguém impessoal. Ele habita em você. Seus pensamentos, por mais estranhos que possam parecer, não são mais seus. Suas decisões contém o amém do Pai.

Assustadoramente, não é mais você que vive. Mesmo aparentemente sendo o oposto do que a religião departamentalizada prega ser aquele que “serve à Deus”, você sabe que Ele habita em você. Não há mais necessidade de babá, não precisa mais comer só papinha e ser embalado em um berço. Você sabe pensar com a mente de Cristo, você se alimenta de comida sólida, sabe se virar "sozinho”, pois não está mais só: É Ele e você, de forma que você não nota mais onde está o elo de ligação. Uma relação dinâmica com o Criador; você, uma pequena criatura...

Reações:

4 comentários:

  1. Que coisa boa! Que beleza ler um texto desse moço. Demorou mas pariu rsss

    Então...

    É o tal processo da 'construção&desconstrução&reconstrução ;)

    Graças a Deus eu pulei algumas fases na 'construção' religiosa, como por exemplo os conselhos dos pastores, as tais visitas como se eu levasse o bálsamo rss

    Mas confesso que fiz a oração entre irmãs, fui a várias vigílias, trabalhei em vários ministérios... Enfim, fiz minha parte (obras) no auxílio do Sacrifício na Cruz he he he

    Somos uns pretensiosos...

    E ainda nos rotulamos a nós mesmos como 'servos de Deus' pra completar a boçalidade doutrinária.

    E o irônico é que, nessa pretensão, não nos permitimos ser desconstruídos para sermos constantemente reconstruídos no Caminho...

    ResponderExcluir
  2. Mas isso tá com uma cara de autobiografia do JC!!!! rsss Na verdade, até onde sei, pode ser a autobiografia de muita gente! É bem por aí!

    Abração e Paz, meu irmãozão!!!

    ResponderExcluir
  3. É bispa, o que me motivou escrever este texto foram algumas pessoas relativamente próximas que ficam aguardando os sinais de Deus para dar um mísero passo em frente. Discorrendo sobre isso, "notei" o quanto cada vez menos oro como orava antes e como cada vez menos tenho dúvida dos passos a serem dados (ou não).

    Percebi que não sou mais eu quem penso, ando, falo, atuo...É Ele, numa relação dinâmica, enquanto os que me referi anteriormente só escolhem a cor da camiseta a usar pela manhã após fazer jejum e ligar pro pastor, nesta relação dita "departamentalizada"... rsrs

    ResponderExcluir
  4. É Renezovisky, eu mesmo! Fica mais fácil pintar o quadro, rsrs...

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...