Labels

terça-feira, 27 de novembro de 2012

A certeza daquilo que esperamos...

"Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos."Hebreus 11:1

Uma forte dor nas costas me acompanhava e se tornava cada vez mais incômoda. No início não dei muita importância, deveria ter sido fruto de um “mosh” que dei no show do Red Hot Chilli Peppers no saudoso festival Hollywood Rock de 1993, quando todos abriram na hora que me joguei e caí de cóccix (pra não dizer bunda, pois não bateu na parte fofinha, mas no osso mesmo...) no chão. Fim de show pra mim, tive que assistir o resto sentado de tanta dor.

Algumas travadas ao andar, virar o pescoço, levantar, sentar... Só quem passou por isso sabe. Amigos “ortopedistas” tentaram “me estalar”, dando um tranco na coluna. Só piorava! Enfim, fui ao médico: Ressonâncias, tomografias, raios-x e foi dado o veredicto: Hérnia de disco na lombar. Nada fazia passar as dores lancinantes, que se irradiavam pelas pernas e me deixavam – literalmente – travado. Levantar da cama levava uns 5 minutos, não por preguiça, mas até encontrar a posição menos pior pra sair sem dor. Licença médica por 10 dias em casa. Dor, muita dor, desânimo, frustração, impotência perante tudo aquilo que me imobilizava.

Certo dia estava eu deitado no chão da sala com a luz apagada. Era o melhor lugar que eu podia ficar (a gente vai se acostumando com a dor e aprendendo a sobreviver né?). Eu estava ouvindo uma rádio cristã que nem conhecia quando – próximo das 18:00hs – o narrador começou a orar. Orou pelas viúvas, órfãos, presidiários, doentes em hospitais em estado terminal e todos os demais “sofredores” de plantão. Eu estava lá, ouvindo tudo “em terceira pessoa” até o momento que o narrador disse:

“Deus está me mostrando um rapaz em casa, deitado no chão, com muitas dores nas costas. É uma hérnia de disco e o Senhor manda te dizer que a partir de agora você está curado, em Nome de Jesus!”

Na mesma hora comecei a chorar e sentir um calor muito grande na região lombar. (Não seu infame, não era fogo no rabo, antes que você venha deturpar meu testemunho...) Coloquei a mão na região e apertei. Não senti nada. Esquecendo da dor e de todas as manobras acrobáticas que havia desenvolvido para sair daquela posição, me levantei como se não tivesse nenhum problema. O resto vocês podem deduzir: Curado, milagrosamente curado!

Talvez alguns de vocês já soubessem desse episódio, mas senti que deveria compartilhar novamente por estar vendo isso acontecer novamente, bem próximo de mim...

Depois de anos, tive algumas recaídas. Entretanto, notei que elas sempre vieram acompanhadas por momentos de profundo stress, aqueles momentos que pegamos todos os problemas de todas as pessoas da face da Terra e achamos que somos os responsáveis em encontrar a solução para cada um deles. Com o tempo, aprendi que não sou Deus nem não sou eu quem teria a obrigação de encontrar as soluções da dor da raça humana. Foi libertador!

Descobri que bem na base da minha coluna tinha um botãozinho mágico. Nele estava escrito “FODA-SE” e tinha que ser apertado com regularidade. Descobri também que este botãozinho estava conectado a um mecanismo semelhante a um disjuntor de eletricidade. Quando a demanda era maior do que minha capacidade de acionar o bendito botão, entrava em alfa do nada, “saía de mim” e via tudo de fora, conseguindo desta forma um foco melhor da situação, o quê se provou ser muito útil.

Um tempo, dois tempos e metade de um tempo depois (é bíblico, sei que está fora de contexto mas é bíblico...) não fui mais acometido daquela maldita dor nas costas. Desde então, procuro compartilhar com os que me cercam três pequenos conceitos que aprendi dessa situação toda:

1) Aquele dia fui curado. Da forma como doía, nunca mais sofri nada parecido. Não fiz novos exames por não sentir necessidade, mesmo com pequenas recaídas que acabei de me referir. Jesus Cristo continua o mesmo, graças à Deus;

2) Todo mundo tem um botãozinho “foda-se” e este deve ser utilizado sempre (e tão somente) quando necessário;

3) Não somos Deus. Não somos responsáveis pela dor alheia, não importa qual seja. Nosso disjuntor tem que desarmar sempre que necessário, senão “travamos” juntos com quem sofre, ficando assim impossibilitados de fazer qualquer coisa.

Utilizei e tenho utilizado esses “três segredinhos” nas mais diversas áreas de minha vida. Problemas que não tenho como resolver de imediato sempre aparecem com alguma solução no tempo certo. Não adianta me desesperar. Incertezas quanto ao amanhã idem. Aliás, de tudo isso, o mais importante e confortante foi descobrir que Deus, no nosso dia-a-dia, faz mais milagres considerados pequenos, frutos do “acaso”, do que somos capazes de discernir.

Estes pequenos milagres é que são os grandes, pois eles são pequenos detalhes diários de uma história de vida sendo escrita. Minha cura foi um presentinho de Deus e necessário naquela época de minha caminhada com Jesus. Tive inúmeras orações respondidas (incluindo uns três infartos de meu pai, que continua conosco) e dez vezes mais orações sem final feliz (incluindo um coma de 5 meses de minha mãe, que faleceu em 2009, vítima de um AVC).

Aprendi a confiar, entendi que quando entreguei minha vida pra Jesus de coração eu realmente perdi o controle de tudo. As dores que vieram em decorrência desta entrega eram, na sua grande maioria, provenientes de tentativas de retomar o controle das situações que não estavam mais sob minha responsabilidade.

Como terminar? Talvez de maneira simplista para quem não sabe exatamente o que significa isso tudo, dizendo: Confie em Deus. Mesmo sem ver um palmo à frente do nariz (para mim, um palmo à frente do nariz é uma grande distância...), dê o próximo passo na certeza de que Ele está no controle de tudo e você está no centro da vontade Dele...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...