Labels

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Livre, leve e solto... e muito feliz por isso!

“Irmãos, cada um deve permanecer diante de Deus na condição em que foi chamado. Quanto às pessoas virgens, não tenho mandamento do Senhor, mas dou meu parecer como alguém que, pela misericórdia de Deus, é digno de confiança. Por causa dos problemas atuais, penso que é melhor o homem permanecer como está. Você está casado? Não procure separar-se. Está solteiro? Não procure esposa. Mas, se vier a casar-se, não comete pecado; e, se uma virgem se casar, também não comete pecado. Mas aqueles que se casarem enfrentarão muitas dificuldades na vida e eu gostaria de poupá-los disso. O que quero dizer é que o tempo é curto. De agora em diante, aqueles que têm esposa, vivam como se não tivessem; aqueles que choram, como se não chorassem; os que estão felizes, como se não estivessem; os que compram algo, como se nada possuíssem; os que usam as coisas do mundo, como se não as usassem; porque a forma presente deste mundo está passando. Gostaria de vê-los livres de preocupações”. - 1Corintios 7:24-32ª

Reli este texto hoje de manhã e fiquei pensando no que Paulo falou. Não em relação a casamento, mas sim em relação às preocupações que temos no dia a dia com a administração de tudo aquilo que nos cerca.

Demandamos muito tempo com coisas que em sua essência são inúteis. Isso faz com que vivamos presos a fardos que decidimos carregar sem necessidade. Por qual razão devemos querer acumular cada vez mais bens e serviços que nos roubam de uma vida livre de preocupações?

Vou dar um exemplo do que quero dizer. Tenho TV a cabo, internet e telefone. Pago este pacote mas estou sem computador em casa. Tudo o que escrevo eu o faço ou no trabalho ou na lan house. São 40 reais só pela internet não usada. Tento fazer sobrar uma grana para comprar um computador, que para mim é super importante, mas ao mesmo tempo, disponho destas ferramentas na forma que mencionei acima. Desde que assinei o pacote já joguei fora uns 500 reais e fico angustiado por estar fazendo isso. Pensei em cancelar somente o serviço da internet, mas teria que arcar com uma multa que não se pagaria com o tempo que falta para eu comprar o computador. O que faço eu então? Continuo jogando 40 reais fora por mês.

Entende meu ponto de vista?

Isso me fez lembrar de uma irmã abençoadíssima que conheci logo que me converti e foi instrumento de Deus para falar comigo sobre certos valores espirituais. Ela me deu um conselho muito bom e que posso resumir da seguinte forma: "Não tenha dez pares de sapatos, tenha quatro realmente bons, que você usa. Não tenha oito calças compradas em uma liquidação qualquer no guarda roupa, gaste um pouco mais e compre duas ou três daquelas que você não tira do corpo por nada".

É por ai mesmo. Viva livre, leve e solto. Esteja pronto para “fugir” a qualquer momento, e que isso seja possível enfiando tudo o que você tem numa "mochila"!!! É libertador saber que se você precisar se mudar ou se, por alguma razão, perder tudo o que você tem, este "tudo" não seja NADA que te abale, que te prenda e imobilize, igual esteve prestes à acontecer com o jovem rico que era um exemplo de fidelidade à Lei, mas não pôde seguir a Jesus por ser dono de muitas riquezas.

Tenho mais dois exemplos na área sentimental e relacional que creio que ilustram este ponto de vista.

Meu casamento é uma benção, fonte de minhas maiores alegrias e prazeres. Tenho uma mulher maravilhosa, que me ama, me compreende e me aceita como sou. Meu amor por ela é na mesma proporção e intensidade, mas sempre conversamos muito sobre o fato de que estamos unidos por nos amarmos, e não por precisarmos um do outro ou por algum tipo de necessidade física, emocional ou material. Isso nos leva a um patamar muito mais elevado em nossa relação. Ela não é minha muleta, eu não sou sua cadeira de rodas. Somos dois seres humanos plenos e realizados, compartilhando nosso melhor um com o outro.

Na área relacional sempre falo com minha mulher que vivemos cercados de pessoas, mas não temos como nos envolver de maneira doentia com elas, absorvendo as demandas pessoais, emocionais e espirituais. Existem verdadeiros vampiros soltos por aí, tentando te arrastar a qualquer custo às profundezas de suas frustrações. Devemos fazer o possível para ajudá-los, mas a uma distância segura. Caso contrário, você despenca no abismo e fica nas mãos das forças opressoras (drástico né?).

Em suma: só temos como nos envolver neste tipo de relacionamento caso realmente estejamos habilitados para ajudar e – principalmente – se estas pessoas quiserem realmente ser ajudadas.

Não estou certo de ter conseguido fazer a ponte entre o texto de Paulo e meus devaneios, mas temos que viver no mundo sem sermos do mundo, possuirmos bens sem que eles nos possuam, nos relacionar sem sermos tiranos dominadores, escravos ou dependentes dos outros. Livres de preocupações, prontinhos para sermos arrebatados.

Reações:

6 comentários:

  1. adorei o texto !!!!!!!!!!! principalmente a parte dos vampiros, volta e meia aparecem pessoas assim na minha vida.... perfeito....

    ResponderExcluir
  2. Fala João!!!!
    Acabei caindo de para quedas no seu blog através do Blog da Ana Cláudia.
    Foi um prazer ler seu texto e agora comenta-lo.
    Esse é um estilo de vida barato, mais custa caro. Torna-se caro pelas exigências que não nos impõe. Pelos olhares que teremos que responder. Pela soberba que teremos q deixar. Pela vida q teremos q viver.
    Mas a liberdade q tanto se prega exige mais que um discurso. Exige essa atitude. Esse estilo de vida é para aquele q quer seguir o vento do Espírito. Talvez, quando falamos de liberdade e não vivemos depreendidos dessas coisas, acabamos nos tornando hipócritas religiosos com um discurso de livres.
    Não tinha parado para pensar dessa forma. Mas as muitas coisas que nos servem no dia a dia são verdadeiras prisões. Não podemos viver sem elas. Na verdade nós somos escravos de coisas sem valor. Nosso humor é dirigido pelo que temos ou não temos. Que loucura meu!
    Viver livre neste mundo comercialmente escravizado é um desafio de fé e ação. Essa verdade é um soco no estomago!
    Valeu João....é hora de decidirmos. Livres em prisões de coisas ou livres das prisões de coisas.
    Me fez viajar............................
    Um grande abraço
    Graça e paz
    Franklin

    ResponderExcluir
  3. Franklin, graça e paz!

    Puxa, obrigado por suas palavras. As coisas que escrevo muitas vezes são mal entendidas, mas elas vem do meu coração. E quando elas atingem o objetivo fico muito feliz, pois vejo que começar a blogar não foi em vão.

    Outro grande abraço meu irmão!

    JC

    Ah! Eu sou paulistano mas moro no Rio a pouco mais de um ano. Vejo que você também é, pois "Que loucura MEU!" é "coisa nossa"... rsrs

    ResponderExcluir
  4. Nossa, João!

    Você tem sido rápido, tanto texto aff num dou conta não rss

    Mas sempre vale a pena ler, isso é o que importa e eu não só entendo perfeitamente como reflito e aprendo.

    Então...
    Mas há pessoas que não entendem quem não supervaloriza COISAS, quem não é consumista, quem não se empolga com um leque de opções de lazer e viagens, enfim, quem não tem apego material; mas tudo isso porque vivemos numa cultura que nos diz que só seremos amados se estivermos com a performance exigida veladamente. E aí as pessoas doentes na alma, pessoas com auto-estima capenga agarram-se nessa ilusão e caem nessa cilada passando a acreditar também.

    Quanto a esse lance de relação a dois (tão comentado aqui em casa ontem por mim e meu filho) a meu ver, o tipo mais nocivo que existe é o do dominador e do dominado, cuja relação doentia para ambos vai se formando gradativamente e antes que o(a) dominado(a) se aperceba já foi anulado em todos os sentidos. (Eu tenho algo escrito sobre isso e vou postar dia desses rss)

    A única relação saudável que existe é justamente essa em que não há qualquer condicionamento, principalmente os psicológicos, pois esses são os mais neuróticos e destruidores.

    Parabéns pela tua relação e que Deus a conserve assim!

    R.

    ResponderExcluir
  5. Amém!!! Riri...

    Sabe o que faz rolar vários textos, apesar de ter meus momentos de 'seca' e ser obrigado a ficar colocando textos dos outros? A leitura diária e sequencial da Bíblia.

    Se você for ver, os textos que cito a Bíblia como texto inicial estão em sequência. Vou lendo capítulo a capítulo até que um texto pula na minha cara e acabo escrevendo algo sobre ele...

    Bendito blog! Mew faz um bem danado! Antes, estes 'insigts' vinham e iam embora sem gerar muitos frutos. Agora posso 'eternizar' (uii) através da escrita.

    É isso!

    Beijo querida, e cuidado com os vampiros... rsrs

    ResponderExcluir
  6. Então...

    Nada como buscar enxergar tudo na perspectiva de Deus.

    Como diz um pastor amigo meu, vivendo com o jornal em uma mão, pra ver como tá o mundo e a bíblia na outra, pra ver como é pra ser.

    E os vampiros?! Desculpe aí se soa pretensioso mas depois de muita cacetada estou imune rss

    Deus continue te iluminando para abençoar a outros,

    R.

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...