Labels

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Relações simbióticas (ou a intimidade é uma merda)?


The grass is always greener on the other side;

A grama do vizinho sempre é mais verde que a nossa;

Ou...

A intimidade é uma merda.

Fiquei pensando sobre isso nos últimos dias. Das três frases acima, uma é de minha autoria, adivinhe qual (risos). Isso porque ando conversando com muita gente e tenho visto quantas pessoas são insatisfeitas com seus relacionamentos.

Um vive preso ao passado, pois foram épocas de vacas gordas. Prosperidade financeira, ministério abençoado, uma família unida, uma rede de relacionamentos gigantesca com pessoas do mais alto nível. Perdeu tudo por um adultério. Uma simples puladinha de cerca (não que eu ache “simples”) e pronto: Ruiu tudo o que fora construído ao longo de vários anos.

Perdeu ministério, mulher, bens materiais, prestígio. Recomeçou praticamente do zero com a amante. Anos depois o conheci e tenho conversado muito com ele sobre o fato dele viver dividido entre o que ele era e o que hoje ele é, entre o que ele tinha e o que hoje ele tem, como era a ex-mulher e como é a atual.

Disse a ele que se não virasse a página definitivamente (para um lado ou para outro, mas consciente e definitivamente) sua vida nunca iria progredir. Seria escravizado e torturado por suas questões, como “se eu não tivesse...”, “se eu voltasse atrás...”, “se ela quisesse voltar...”, ou “será que ela ainda me ama?”, será que ela ainda me quer?”, será que devo tentar me reaproximar?” fazem com que ele não seja plenamente feliz hoje (se é que isso é possível, pois como diz Raul, “ninguém é feliz neste mundo tendo amado uma vez...”). Vive olhando para a grama do vizinho, pois hoje outro está pastando nos campos verdejantes que outrora foram seus.

Ao olhar para sua grama atual vê que ela não é tão apetitosa assim. Inicialmente tinha aquela aura de mistério, o fruto proibido, a aventura. Com o passar dos dias porém, descobre-se que a pessoa também ronca, peida, fica mal humorada, tem TPM (misericórdia Senhorrrr!). A doce ilusão do príncipe encantado (no caso, a princesa) se desfez com o convívio diário.

Outros preferem viver na ilusão do que não foi ou poderia ter sido. Algo como “o melhor presidente do Brasil foi o Tancredo Neves”, isso por ele ter sido o primeiro presidente eleito (mesmo que indiretamente) após anos de ditadura militar e ter morrido antes da posse. Criou-se uma imagem do super-homem, o libertador, o “redentor”. Em outras palavras: Não teve tempo pra fazer merda na presidência.

Outro exemplo disso é o da viúva que passa a ter uma nova relação com um outro homem. Coitado do próximo (seqüencialmente falando) se a mulher passar a compará-lo com o santo finado. E eu conheço casais passando por isso. Dá pena de ver. Tudo que o próximo da fila faz é implacavelmente comparado com a maneira como o canonizado fazia. Cruel.

Mas isso só acontece para aqueles que projetam sua felicidade no outro. Felicidade é algo interior, independente de circunstâncias. SOU FELIZ, mesmo que momentaneamente esteja triste com isso ou aquilo. Não preciso “do outro” para eu me completar. Convivo plenamente comigo mesmo, se é possível entender o que eu digo.

Quem estiver ao meu redor não será consumido por minhas debilidades emocionais. Não que eu não tenha nenhuma, mas sou consciente de que não é no próximo que me completo. Não é uma relação de parasitismo, onde o hospede usa o hospedeiro até consumir toda sua seiva e vai embora procurando outra fonte de alimento, deixando o rastro de vidas secas para trás.

Também não se trata de comensalismo, quando um ser vive das migalhas que sobram da alimentação do hospedeiro que o abriga. Pouco ou nenhum dano é causado numa relação dessas, a não ser a desigualdade emocional envolvida. Funciona entre tubarões e rêmoras, não para seres humanos.

Entre nós, humanos, devemos viver em mutualismo, onde ambas as partes se beneficiam. O mutualismo ocorre naturalmente quando dois seres vivem e crescem juntos, ambos tirando proveito dessa estreita associação.

Reações:

9 comentários:

  1. O seu amigo, cover do Silvio Santos, está apavorando lá no pavarini. Reacionário da fé!! Figuraça.Ele é meio hiperativo, né? quando começa na abobrinha não consegue parar.

    Bom, com diz a música "Luck" de Jason Mraz " eu tive a sorte de amar meu melhor amigo"

    vou dizer sito daqui 10 anos, sei lá....

    ResponderExcluir
  2. Fucei, fucei, fucei mas não achei o meliante... tô com saudade dele, mais do que do Lombardi (risos)...

    ResponderExcluir
  3. Fucei mais e achei, ufaa, tava longe!!!

    Ô bichinho hiperativo, tem urtiga nos dedos e uma fonte interminável de besteirol gospel, parece zé do apocalipse...

    ResponderExcluir
  4. Parece que ele entra em "alfa" e começa a escrever, mesmo fora de contexto... rsrs

    ResponderExcluir
  5. Ohhh...esse post me lembrou do livro AINDA DÁ PRA SER FELIZ!?
    Descobri agora, que ele não estava no meu blog.
    Coloquei lá:
    http://blogdaleilahh.blogspot.com/2010/05/eu-li-e-recomendo.html
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. tudo em nome da igreja, quarta pessoa da trindade.

    A igreja (igreja que tem mais valor que a Igreja) é o lugar e o pastor é o cara.

    Menino, me dá uma nausea.....

    ResponderExcluir
  8. Me lembro daquele personagem de humor da MTV, o Joselito.

    O slogan dele é:

    "Ele não sabe brincar...
    Ele é o Joselito!"

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...