Labels

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Primeiro post de 2011


Confesso que estou escrevendo por impulso. Parafraseando alguém por aí, “escrever é preciso, viver não é preciso”. Quando estou assim sou um perigo!

Pessoalmente creio que este ano de 2011 será bem melhor que o velho 2010 que acabou dias atrás. Nada de triunfalismo ou confissões proféticas para que os poderes celestiais conspirem a meu favor. Apenas sinto isso dentro de mim.

Parece que 2010 foi um ano meio inútil, tipo os Gols lançados pela Volkswagem em anos pares. Dizem que eles são só para encher lingüiça entre uma versão e outra, atualizadas nos anos ímpares. Apenas agüentei este ano passar, como se fosse uma obrigação para me manter vivo, no mercado (sei lá se isso faz sentido para alguns) e chegar ao ano dos novos lançamentos. Foi um ano que deixou uma ressaca danada, típica de vinho vagabundo.

O que o velho teve de bom foi mais o aumento da resistência perante situações adversas. Creio que isso se deu pelo fato de ter tido que efetuar inúmeras mudanças e ajustes em minha vida neste período. Ao falar disso me lembre do bom e velho Salomão, dizendo:

“Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derribar, e tempo de edificar; tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar; tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de abster-se de abraçar; tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de deitar fora; tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar; tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.”
Eclesiastes 3.1-8

Pode crer. Esta passagem tem tudo a ver com o que sinto em relação ao velho. Parece que foi um ano os quais os tempos foram de morrer, plantar, matar, derrubar, chorar, prantear, espalhar pedras, abster-se de abraçar, perder, deitar fora, rasgar, calar, odiar, de guerrear...

Talvez alguém pergunte a razão de estar me sentindo assim tão “copo meio vazio” em relação ao velho. Na verdade a culpa não é do velho, mas sim do novo que promete ser o melhor ano de minha vida até aqui. Isso porque estou me sentindo melhor hoje do que me senti em 2010.

Morreu muita coisa que tinha que morrer em minha vida, semeei muita coisa (até literalmente: fiz um canteirozinho de rúcula na varanda e elas estão com 2 centímetros! Que tchuqui tchuqui!!!) que começarei a colher a partir deste ano, chorei e pranteei muitas dores que fui obrigado a aceitar sem muita opção, espalhei muita pedra que se encontrava em meu caminho, rasguei com velhos padrões, derrubei antigos alicerces que me davam falsa segurança, me calei quando achei que não valia a pena continuar o debate, odiei cada vez mais o pecado e guerreei ferrenhamente pelos valores do Reino.

Agora meu velho, sai da reta! Tenho em minha frente uma nova etapa em minha vida. 2011 está pedindo cheio de desejos que eu o segure pelo chifre e o coloque no chão, subjugado. Vai ser o ano de renascer, colher, curar, edificar, rir, dançar, juntar pedras, abraçar, buscar, guardar, coser, falar, amar, viver a paz.

Renascer meus sonhos, colher a rúcula e tudo o mais que plantei, curar minhas feridas e ser instrumento de cura para quem cruzar em meus caminhos, edificar o que foi derrubado até então, rir e dançar alegremente na companhia de gente do bem, juntar as pedras que foram espalhadas no local correto, abraçar meus amados, buscar o bem, guardar os tesouros que encontrarei em meu peito, costurar novos padrões, falar a Verdade para todos que quiserem ou não ouvir, amar cada vez mais meu próximo como irei me amar mais e mais e colher os frutos da Paz.

Papo bobo, começou do nada. Entretanto, ao reler vejo que é profético!!! Eu ein, Deus é figuraça!

Reações:

10 comentários:

  1. O Figura dos figuras kkkkk

    com muitos filhinhos igualmente figuras

    ResponderExcluir
  2. João,

    Mas vale auto-profecia? Se não valer, fica tranqüilo, que desejo que tudo isso realmente se realize na sua vida!

    A comparação que você fez entre 2010 e 2011, parece uma construção: 2010 é o alicerce, aquela coisa difícil de se fazer, que precisa de muita técnica e muito esmero para suportar o que será construído por cima, mas que não aparece. O povo passa pela rua, olha pra dentro do terreno, mas não vê que tem uma obra monumental abaixo do solo.

    E 2011 é o prédio, em si, que sobe rápido e a olhos vistos. É este que faz a alegria de quem passa, mas que não existiria sem o alicerce.

    Bom prédio pra você, meu amigo, e pra todas as pessoas que tiverem contato com ele (eu no meio)!

    Ah! Quando colher a rúcula, entrega pra alguém que saiba fazer uma bela salada! rsss

    ResponderExcluir
  3. Pastor,

    Você tá me saindo um excelente multimidia!
    Além de profeta, sabe cozinhar e também construir prédios...

    Sem falar que constrói tão bem que o alicerce mereceu um verdadeiro post disfarçado de comentário por parte do apóstolo René.

    Meeeeu irmãoooo, xô parar senão vai parecer puxassaquismo.

    Mas, como ninguém é perfeito, gostei da recomendação final do precavido apóstolo.(risos)

    No mais...

    Valeu pelo texto!

    Abs,

    Rê.

    ResponderExcluir
  4. Eu ignorei a última linha do comentário do nobre apóstolo. Além de cozinheiro sou um empreiteiro de obras escravizado momentaneamente no comércio exterior (tenho empresa aberta e tudo) tá?

    Gente.... to rindo até agora!

    ResponderExcluir
  5. René, seu apóstolo rebelde:

    Já aconteceu de você começar a escrever sem saber a razão e quando você viu estava falando pra você? Pois é, foi o que aconteceu.

    E não só para mim. Peço ao Senhor que todos nós, nossos amados e aqueles que passarem por nossas vidas sejam edificados, reconstruídos plenamente.


    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. João,

    O que mais acontece comigo é isso mesmo: começo a escrever e, ao final, vejo que é pra mim mesmo. A diferença é que não é profecia, é exortação!! É mole?

    Abração do rebelde (não tão apóstolo)!

    Ah! Ô Rê, sacaneia não, pô! Até que este comentário foi curtinho!

    ResponderExcluir
  7. João,

    Falando sério.

    A pergunta não foi pra euzinha, mas é incrível como somos ministrados pelo Espírito Santo ao escrever.

    Você acredita que ainda hoje pela manhã eu falava com minha mãe sobre isso? (O lance da conectividade entre a gente affff)

    Eu dizia que algumas pessoas profundamente equivocadas - principalmente da família, ainda bem que muito poucos rss -pensam que a gente escreve pra ensinar aos outros e como se estivéssemos fornecendo fórmula de bom viver, como se fôssemos perfeitos, quando na verdade é uma baita duma terapia pra nós que escrevemos. É um senhor aprendizado diário que nos constrange diante da obviedade da nossa própria fragilidade.

    É isso, xô parar senão eu choro, pense numa manteiga ultimamente afff

    xêrus

    Rê.

    ResponderExcluir
  8. A Rê tá inspirada hoje, hein? Depois sou eu que faço mini-post! Só essa explicação (perfeita, diga-se de passagem) dá uma postagem enorme!!!

    E manteiga aí na beira da praia deve derreter faciinn...

    Pastor João, o Wendel deixou um comentário pra você lá no meu blog....

    ResponderExcluir
  9. Deixa eu ver o que o minino falou... rsrs

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...