Labels

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Putz, a coisa tá feia!

Ontem a noite assisti pela enésima vez a animação dinamarquesa “Putz, a coisa tá feia!”É uma versão moderna da história do patinho feio. Feio é um cisne recém-nascido bastante feio, mas ninguém tinha noção do que ele era. A 1ª coisa que ele viu foi Ratso, um rato esperto e egoísta que sonha em trabalhar no showbizz e que caiu em cima de seu ovo. Feio logo passa a considerar Ratso como se fosse sua mãe. De início Ratso não gosta da idéia e apenas tenta usar Feio para faturar uns trocados, mas aos poucos vai se afeiçoando a Feio e passa a lhe ensinar como se virar por conta própria.

Isso me fez lembrar minha história. Quando era criança sempre fui muito zoado pelos meus colegas. Diziam que era narigudo, feio, desengonçado. E eu era mesmo. Não tinha nada de atrativo. Várias vezes saí da escola chorando pelas brincadeiras de mau gosto dos outros meninos. E meninos são cruéis, pegam no nervo quando resolvem humilhar um coleguinha. Tudo era motivo para gozação, e eu sofria muito.

Como me considerava feio, fui obrigado a desenvolver outras “qualidades e habilidades” para compensar a falta de atrativos. Estudava muito, adorava fazer experiências cientificas, desmontava todo tipo de aparelho e remontava só para ver como funcionava, cozinhava legumes que meus pais plantavam no fundo do quintal em latas vazias, inventava projetos eletrônicos baseados em revistas que lia. Eu era muito nerd, esquisito mesmo (risos)...

Quanto mais crescia, mais desengonçado ficava. Cheguei ao colegial sem nunca ter namorado nenhuma garota. Um dia, em uma aula de História, minha amada professora, Dona Dulce, do nada disse para toda a classe: “O João Carlos é o tipo de rapaz que quando estiver mais velho será um homem muito bonito, ele tem cara de másculo”... PQP!!! Vocês não tem noção do efeito cataclísmico desta tentativa de elevar minha moral: A classe inteira começou a rir descontroladamente. Ela viu o quanto fiquei constrangido e tentou controlar a situação. No intervalo do recreio a cambada se reuniu para me aloprar. Ficavam dizendo “ummmmmmm João, cara de máaaaasculooooo!!!” Eu só queria cavar um buraco e me esconder, tamanha a vergonha que passei.

Um belo dia porém, uma mocinha quis namorar comigo. E depois outra. E mais outra. Enfim descobri o segredo de Tostines: Tinha que agir como se me achasse bonito, e desta maneira passei a transparecer segurança. Descobri que as mulheres em geral não se preocupavam se o homem era bonito, e sim se ele tinha atitude, ‘pegada’.

Venci a timidez e minhas limitações, passei a gostar de mim como sou. De acordo com meu espelho, até hoje não passei pela transformação que a Dulce falou. Mas do jeito que está ‘tá bão’, não quero virar cisne. Assistam ao filme e vocês vão entender...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...