Labels

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Os trens assombrados da linha Osasco x Jurubatuba, parte 2



Deus tem falado muito comigo e me cobrado! Segue a primeira resposta sobre algo que aconteceu comigo...


Me converti na Universal. Conheci Jesus e a Palavra, fui batizado na água e no Espírito, tudo muito rápido. Foi um pronto socorro espiritual, um desfibrilador, uma quimioterapia digamos assim... Inicialmente me fez um bem muito grande por ter me tirado da morte, mas não tinha como continuar por lá depois de um tempo. Neste comecinho já era fortemente direcionado pelo Espírito Santo.

Procurei a Renascer em Cristo. Outro clima, mais jovem, a presença de Deus muito forte também. A ‘Bispa’ Sonia pregava a minha vida. Dava a impressão que ela estava acompanhando cada passo que eu dava. Domingão e pá! O Espírito Santo revelava detalhes de meu dia-a-dia durante a ministração da Palavra. Mas o Espírito não me deixava confortável. Parecia me empurrar para frente.

Sentia que Deus queria cavar mais fundo, pois eu havia dado toda liberdade ao Espírito para me dirigir. Parecia carro velho, onde parava eu pregava.

Fui fazer uma visita à Assembléia de Deus, creio que o ministério do Belém, perto de casa. Deus falou muito comigo, mas foi apenas uma visita. Os usos e costumes foram a razão de minha não permanência por lá. Minha ‘ex’ teria que mudar o ‘look’ e achávamos que não era por ai. Ainda não era casado, apenas namorávamos e ela morava no Jaguaré, razão pela qual passava algumas vezes na semana pela estação de trem de lá.

Nesta estação trabalhava um irmão ‘fogo puro’ chamado Gessi. Quando começamos a conversar ele me disse que era da Congregação Cristã no Brasil e eu disse que era da Renascer em Cristo. Nossa amizade foi se tornando cada vez mais profunda. Este irmão era daqueles que só de olhar em seus olhos começa a profetizar. Deus falava muito comigo através dele, dava até aflição. Ele, no meio da conversa e do nada me olhava, parava e dizia: ‘É varão...’ ficava em silencio por uma fração de segundo e eu sabia que vinha bomba. Ele nem falava ‘assim diz o Senhor’. Falava em primeira pessoa: ‘Eu vou fazer tal coisa em tua vida amanhã’. A parada acontecia do jeito que ele falava, fora fatos e dúvidas que se passavam em meu íntimo e que Deus revelava a ele.

Em nossas conversas, um belo dia estávamos falando sobre nossas igrejas ele fez um convite para eu ir visitar a Congregação onde ele congregava (me perdoe pela aparente redundância). Aceitei o convite e fui com a minha ex no sábado. Ele nos recebeu na estação de trem de Carapicuíba (sim, é longe pra caramba, como diria o Jota Quest) e nos levou à casa dele. Apresentou-nos seus amigos, familiares, irmãos e fomos ao primeiro culto. Deus falou demais. Demais. Demaaaaaaaaiiiiiiiisssss. Foi maravilhoso, me batizei nas águas (já era batizado, mas Deus me quebrou as pernas lá), a ex também. Voltamos do culto e fomos para a festa de noivado da filha dele. Muito guaraná e salgadinho, bolo e docinhos. Conheci mais irmãos, me senti em casa. Orávamos, louvávamos. Rolou umas profecias dizendo que não era para eu me casar com a Rosi, rolou uns papos fortes sobre doutrina (ela estava de calça de moleton), um monte de coisa. A mesma irmã que falou da maneira de se vestir foi tomada por Deus e usada para ministrar sobre a vida dela. Ela foi batizada no Espírito Santo aquela noite. No fim da festa rolou até um ‘pega-pra-capá santo’: Os irmãos ‘cheios do espírito (com ‘e’ minúsculo mesmo), começaram a quebrar disco de musica secular, televisão, garrafa de bebida... Até eu entrei na ‘unção’ do ‘vâmo quebrá tuuuddoooo’ e joguei uns discos do Raul Seixas pela janela, aff...

No dia seguinte, depois de mais algumas visitas a outras ‘Congregações’ nas redondezas (foi uma ‘imersão’ o que fizeram conosco), nosso irmão nos levou até a estação de trem e nos perguntou se gostaríamos de nos tornar membros da Congregação. Decidimos que sim, pois havia sido diferente de tudo o que tinha acontecido até então, mesmo pagando o preço de termos que mudar drasticamente nosso estilo de vida, devido aos usos e costumes desta denominação.

Agora que o bicho pega: Tomamos o trem em Carapicuíba e vínhamos conversando sobre tudo o que tinha acontecido naquele fim de semana. É importante frisar que estávamos conversando baixo. O trem não tinha muita gente. Um rapaz que estava sentado no outro extremo do vagão se levantou, veio até nós e pediu licença para conversar. Ele aparentava ser um cara normal, não demonstrava ser algum bandido. Concordamos e ele sentou-se ao nosso lado. Apresentou-se (na verdade não lembro o nome) e perguntou: ‘vocês são crentes?’ Estávamos à paisana, nem Bíblia estava à mostra. Dissemos como o pessoal da Congregação dizia: ‘pela graça e misericórdia de Deus, SIM’. Ele perguntou: ‘de que igreja?’. Respondi, cheio de orgulho: ‘somos da Congregação Cristã no Brasil’. O rapaz arregalou o olho e disse: ‘Aahhhhh.... com vocês eu não posso não!’

Pausa na cena, ‘a lá Matrix’. Inspire, respire...

Eu olhei pra ele e já o chamei pelo nome: ‘diabo, você de novo...’ e já fui querendo expulsá-lo, pra variar. Ele disse para mim: ‘calma, não vou fazer mal nenhum a vocês. Na verdade eu MORRI EM 1967 e estou aqui apenas para conversar um pouco’. Era ele mesmo, o rabudo. Continuamos ‘conversando’ (entenda: ele falava e eu ficava ordenando que ele se fosse, em nome de Jesus) até que ele se levantou e desceu em uma estação.

Assim que ele desceu, me virei para a Rosi e disse: Você viu só como ele ficou quando dissemos que éramos da Congregação? Ele disse que conosco ele não tinha poder nenhum! Agora sim, estamos na igreja certa!

Levei-a em casa e nos sentamos na calçada por um momento para conversar a respeito de tudo o que iríamos fazer dali para a frente. Meu amor por Deus era (e é) tão grande que estava disposto a tomar a direção que Deus desse para minha vida, para meu ministério. Nisso, o vizinho começou a reclamar que estávamos sentados na frente do portão dele. Nos levantamos. Afinal de contas, éramos servos do Altíssimo e não deveríamos ficar sentados no chão. Meu coração estava cheio de orgulho pela ‘descoberta’ da igreja certa.

No dia seguinte pela manhã, estava indo para o banco (trabalhava na Nossa Caixa). Abri minha Bíblia ao acaso e comecei a ler. Não gosto de brincar com a Bíblia, como se fosse uma caixinha de promessas, mas não há como negar que de vez em quando Deus fala SIM desta maneira conosco. Ela se abriu em Gálatas, e comecei a tomar um tapão atrás do outro:

Gl 1:6-12 - Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho, o qual não é outro; senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema. Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? ou procuro agradar aos homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo. Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens; porque não o recebi de homem algum, nem me foi ensinado; mas o recebi por revelação de Jesus Cristo...

A cada linha que eu lia ficava mais e mais tenso. Será que ‘era Deus’? Será que era coincidência? Será que o diabo tava tentando me enganar? Continuei lendo. Caía em trechos falando assim:

Gl 2:3-7 – Mas nem mesmo Tito, que estava comigo, embora sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se; e isto por causa dos falsos irmãos intrusos, os quais furtivamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos escravizar; aos quais nem ainda por uma hora cedemos em sujeição, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós. Ora, daqueles que pareciam ser alguma coisa (quais outrora tenham sido, nada me importa; Deus não aceita a aparência do homem), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me acrescentaram; antes, pelo contrário, quando viram que o evangelho da incircuncisão me fora confiado, como a Pedro o da circuncisão...

Lia e chorava... Cada linha escrita pulava em minha cara. Viva e pulsante... Não era possível! Tinha acabado de sair de um final de semana maravilhoso perante Deus e havia decidido mudar totalmente minha trajetória. Tinha aceitado servir ao Senhor, mesmo sob uma doutrina pesada, cheia de regras, por amor ao Senhor! Peguei meu filho Isaac – minha LIBERDADE – e coloquei no altar em sacrifício. A presença do Espírito Santo era muito forte. Li mais e mais em Gálatas e entendi que não era aquilo o que Deus queria de mim... Abri em outro trecho da Bíblia. Meu queixo caiu mais ainda:

Cl 2:4 – Digo isto, para que ninguém vos engane com palavras persuasivas...
Cl 2:8 – Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo...
Cl 2:16 – Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados...
Cl 2:18 – Ninguém atue como árbitro contra vós, afetando humildade ou culto aos anjos, firmando-se em coisas que tenha visto, inchado vãmente pelo seu entendimento carnal...


Estava desesperado e ao mesmo tempo aliviado... O Espírito continuava derramando seu bálsamo:

Cl:2-20-23 – Se morrestes com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos sujeitais ainda a ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: não toques, não proves, não manuseies (as quais coisas todas hão de perecer pelo uso), segundo os preceitos e doutrinas dos homens? As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade fingida, e severidade para com o corpo, mas não têm valor algum no combate contra a satisfação da carne.

Era Deus e era comigo. Sei que toda Palavra é Deus, mas ali era direto para aquele assunto. Bati o martelo: Não ficaria na Congregação.

Encontrei-me no final do dia com meu irmão Gessi e ele perguntou se poderia me levar para ser apresentado em ‘minha comuna’, que significava a igreja próxima à minha casa. Eu respondi: 'NÃO, pois não teria como servir a Deus sob a doutrina da Congregação.' Ele caiu pra trás. ‘Depois de tudo o que Deus falou com você lá em casa neste final de semana você NÃO QUER ser apresentado na minha igreja?’ Respondi: ‘Não meu irmão, e você não sabe da metade do que Deus falou comigo DEPOIS deste final de semana!’ E expus as passagens da Bíblia a ele. Como ele é de Deus, por mais que tivesse ficado contrariado, entendeu. Relutou um pouco mas entendeu. Eu disse a ele exatamente as coisas que escrevi entre uma passagem e outra. Meu ministério era um, o dele era outro.

Por outro lado, depois disso tudo, fiquei sem chão. Apresentava a Deus minha angústia por não ter ainda encontrado A IGREJA onde serviria a Deus. Visitava uma aqui, outra ali... Chorava muito a respeito disso. Sabia que tinha que estar sob a autoridade pastoral. E o Espírito sempre me lembrava de uma passagem das Escrituras: ‘O filho do homem não tem onde reclinar a cabeça’...

Nesta época freqüentava assiduamente o Instituto Cristão de Pesquisas, que na época era presidido pelo grande Pr. Paulo Romeiro, que até hoje tem minha grande admiração e respeito. Benção pura, como diria o Pr. Jabes Alencar...

Ia lá direto pois, como tinha sido muito usado pelo inimigo antes de minha conversão, vivia no campo de batalha espiritual, evangelizando pra tudo quanto era tipo de seita, e o ICP era o local onde conseguia muito material para evangelismo e estudo.

Um dia apresentei esta minha necessidade de encontrar uma igreja sadia, que não fosse nem ‘farra do boi’ nem legalista demais. Equilibrada e santa. O Pr. Paulo Romeiro então, após perguntar onde eu morava, indicou a Assembléia de Deus Betesda, de seu amigo pessoal, PR. Ricardo Gondim.

Daí pra frente foi só alegria...

Para finalizar, gostaria de comentar uma coisa: A Congregação é uma benção para quem sente que lá deve servir a Deus. O Corpo de Cristo tem vários membros, todos com sua importância. A astuta intenção diabo, ao usar aquele homem no trem e dizer através dele que não podia lutar contra mim pelo fato de agora (naquela época) eu ser um crente da Congregação Cristã no Brasil, era apenas de me engessar, me imobilizar e fazer com que eu não desse todos os frutos que Deus queria que eu desse. Lá eu teria que lidar com usos e costumes, e assim esfriaria da fé ao cuidar do ‘não fazer isso, não comer aquilo, não vestir isso, não olhar para aquilo’. O orgulho que entrou em meu coração após aquela investida do diabo já deveria ter sido o suficiente para eu notar que tinha algo errado. Satanás é um exímio estrategista, capaz de sacrificar umas peças para ganhar o jogo no final. Não podemos menosprezar suas estratégias sórdidas.

Agora véio, a parada é sinistra!

Reações:

27 comentários:

  1. Saudações Cristãs

    Dileto...


    Bem... Há de se convir, que teor de seu discurso é um tanto "esquizo"... A princípio não se pode determinar com absoluta precisão, o que realmente propõe...

    Tratar-se-ia de um "testemunho"? Mas, em se tratando de um "testemunho", qual seria seu intento?

    Algo se faz notório... Seu perfil (na acepção precisa do termo), não corresponde ao "modus operandi et vivendi" preconizado pela Congregação Cristã, enquanto modalidade vigente e aplicável aos seus tutelados.

    A Congregação Cristã, mais que uma instituição religiosa, constitui um "ethos", no qual seus integrantes se amalgamam (por prévia disposição) aos princípios e ditames norteadores de sua expressão COLETIVA... E, aliás, pelo que se pode depreender das "colocações" supra citadas, suas caracteristicas distintivas apresentam "traços" eminentemente individualizantes, em detrimento de uma concepção proeminentemente COLETIVA.

    Os membros do Corpo Eclesial, identificam-se com a TOTALIDADE desse corpo... Pressupor operação diversa, implica em destituir a "Ekklésia" de sua identidade e conotação primeira... Tal testificam as Escrituras Neotestamentárias, sob qualquer parâmetro hermenêutico e exegético.


    De qualquer maneira, o fato de ainda rememorar experiencias desse quilate, o coloca em situação um tanto equívoca... Conforme salientado no início, qual seria seu escopo?


    Atenciosamente,
    "Em Caridade"
    Irmão Ednelson.

    ResponderExcluir
  2. Ao ler seu comentário somente hoje (não havia notado que alguém tinha passado neste texto), tive a nítida impressão de ter visto um ratinho de laboratório eclesiástico despejando uma verbarrogia totalmente desprovida de conteúdo.

    Quantas almas o prezado irmão ganha pra Jesus falando esta lingua tão diferente daquela que o Mestre costumava usar para ensinar as multidões?

    Meu texto é sim, um pequeno testemunho do mover do Espírito Santo na vida de um vaso de barro falível.

    "em caridade" me lembra muito da conversa entre os espíritas, o qual fui por alguns anos... interessante.

    ResponderExcluir
  3. João

    Também só agora estou lendo esse aqui e inevitavelmente estabeleci um paralelo com aquele último post.
    E claro que Deus atua nesses lugares, afinal há gente de boa-fé, gente sincera, gente ingênua e tola até mesmo onde colocam o nome de Jesus em placas e por Ele clamam mas o legalismo e literalidade bíblica são tão obtusos que anulam a Graça. E eu sei o que tô falando porque também estive na CCB por um tempo, tenho mãe e alguns irmãos nessa denominação, (tenho alguns posts sobre isso) e meu "batismo" nela foi HOR-RÍ-VEL, dá um verdadeiro texto de terror, mas certamente iria escandalizar os mais fracos, vou te dizer por e-mail mesmo.
    Foi ali naquele meio onde fiquei quase paranóica, tive inclusive Síndrome do Pânico, mas Deus é maravilhoso, me resgatou e me curou.
    Qto ao comentário anterior, desculpe mas o que foi mesmo que ele bebeu? (Foi mal, escapuliu)
    No Amor que é antes de tudo, na Verdade,
    R.

    ResponderExcluir
  4. Estranho, vc diz ter ouvido Deus falar com vc na Renascer, Assembléia e Congregação. Lembre-se que o diabo também conhece nosso presente e pode se usar de outras pessoas para te confundir. Mas Deus é o único conhecedor do futuro. Tb desconfio desse Gessi. Nunca vi gente da Congregação quebrar discos, TVs etc, ou dar conselhos pra outra pessoa - visitante da igreja, como é o caso - sobre usos e costumes. Nem pra quem já frequenta a muito tempo isso não acontece, a pessoa muda sozinha, de acordo com o que se sente culpada. Muito menos perguntar se gostaria de se tornar membro após ter sido batizado. Ou dizer q ia te apresentar na igreja. Isso não existe. Acho q vc foi vítima de umas "profetadas", viu.

    ResponderExcluir
  5. Prezado "anônimo".

    Primeiramente quero dizer que fica muito difícil discutir opiniões com alguém que não se identifica.

    Testemunho aquilo que VI E VIVI. Se eu te falar todos os lugares onde Deus já falou e ainda fala comigo certamente você se escandalizaria. Ma ai que está o ponto: Onde você vai você leva Jesus com você? Ele pode usar até uma mula, lembra-se disso?

    Quanto ao meu relato, ninguém me contou, não criei nenhuma fábula para ilustrar algum ponto de vista pessoal ou o que quer que seja.

    Quanto a ser vítima de profetadas, saiba que ninguém é imune a isso mas, por outro lado, não sou tão neófito.

    Volto a um ponto de seu comentário apenas para reforçar o que disse: Se você estivesse em Carapicuíba na da casa deles no dia que eu estava teria visto o que eu vi. Como não estava, peço respeitosamente que você limite-se a crer ou não crer.

    JC

    ResponderExcluir
  6. Anonimo,

    mostre a cara querido, aqui não é sinédrio, fique tranquilo.

    O Ednelson explicou direitinho como acontece, veja:
    A Congregação Cristã, mais que uma instituição religiosa, constitui um "ethos", no qual seus integrantes se amalgamam (por prévia disposição) aos princípios e ditames norteadores de sua expressão COLETIVA... E, aliás, pelo que se pode depreender das "colocações" supra citadas, suas caracteristicas distintivas apresentam "traços" eminentemente individualizantes, em detrimento de uma concepção proeminentemente COLETIVA.

    Em outras palavras, ninguém pede para vc fazer nada mas o poder do grupo é tão acachapante que em "minutos" vc começa acredtiar que a graça é a CCB, orar só ajoelhado e etc.

    Conheço a CCB e como a Regina reconheço gente boa de Deus que ali está e não poderia ser diferente, afinal Deus administra a Graça como ele quer, é prerrogativa Dele.
    A descrição do JC bati direitnho com muita coisa que eu vi e vivi em companhia de minha melhor amiga de infância.
    Contudo se alguém ainda duvida, quer colocar a prova, desacredita, recomendo uma leitura esclarecedora,
    o livro "Por trás do véu" Marcelo Ferreira ex-CCB.

    No mais fico com o que Jesus disse e fez pois ele é a chave hermeneutica para interpretar a Escritura, se assim não for criaremos seitas onde o homem determina céu e inferno conforme sua deformidades.

    abraços a todos

    ResponderExcluir
  7. Puxa,

    esse "a pessoa se sente culpada" dá um texto e tanto, né moçada?
    Quando eu era religiosa eu sentia culpa por não ter um cabelo no pé, afinal com este tonhonhoin e sem as abençoadas progressivas, a irmãznhoa aqui male-male tinha uma medeixa no ombro, eu me sentia no inferno.

    A segunda coisa que de melhor me aconteceu: Sair da religião.
    A primeira foi ser conhecida e conhecer Jesus.
    Aquele que liberta!!!Oh Glória!!

    ResponderExcluir
  8. Sr J. só anda com gente boa!!
    Paulo Romeiro é um pastor ponta firme, gosto dele mesmo quando é radical.
    Fui duas vezes na igreja Cristã da Trindade e tenho todos os livros dele, autografados. Crusis quanto orgulho religiosos.
    Ele te remendou simplismente uma das igrejas mais sérias que eu conheço em SP,e vc sabe disso. Falem o que quiser, mas o RG é uma raridade no mundo.
    Paulo Romeiro foi um dos primeiros a defender, inclusive em programa de rádio, que a CCB é uma seita.

    ResponderExcluir
  9. Dri, bom te ver por aqui neste momento tão sublime...rsrs

    Deixa eu reforçar meu 'sim sim, não não': Fora a pressão do grupo, que te induz a mudanças pelo 'way of life' que eles vivem, NÓS RECEBEMOS SIM, PRESSÃO EXPLÍCITA DE MUITOS DELES para que a Rosi colocasse uma saia da uma irmã, para sermos apresentados como membros, etc e tal.

    O que escrevi acima foi feito com temor e tremor, na presença de Deus, Aquele que tudo sabe. Não acrescento nem retiro uma vírgula.

    De resto, fico com as palavras de Paulo em Gálatas 6:17

    "Daqui em diante ninguém me moleste; porque eu trago no meu corpo as marcas de Jesus".

    ResponderExcluir
  10. Excelente texto meu irmão. Eu saí da CCB porquê vi e senti na pele o quão destrutivo podem ser estas doutrinas exageradas e sem fundamento. Eu simplesmente não sou masoquista para viver em um jugo tão pesado.

    Não vou nem falar nas dezenas, senão centenas de profecias que eu ouvi e nunca se cumpriram. Só não digo que perdi sete anos da minha vida, sendo crente da CCB, porquê nela também vi coisas muito boas, foi onde aprendi coisas como humildade, caridade, misericórdia, esperança e paciência. Pena que muitos lá não aprenderam nada sobre isso ainda, e ficam julgando um ou outro por coisas fúteis como usar bermuda, calça etc...

    Este negócio de Deus falar a sua vida inteira não passa de pregação subjetiva, existe até estudos científicos sérios que indicam não se passar de uma auto-sugestão do cérebro, diante de frases genéricas que se encaixam com a vida de qualquer um.

    Gosto de palavras que são baseadas na bíblia, estas sim tem fundamento.

    Aonde já se viu palavras conhecidas como "chicotadas", que ridículo, Deus é amor e misericórdia para com o povo.

    Um grande abraço

    Marcos

    ResponderExcluir
  11. Marcos,

    Eu não ouvi dezenas porque ia aos cultos esporadicamente por livre e espontãnea... pressão!!!

    Mas, igual a você eu ouvi algumas profetadas em meio a gritarias e terrorismo, inclusive que se eu não ficasse na CCB por bem ia ficar por mal. as profetadas chegaram ao ponto de dizer que Deus ia tirar minha vida se eu não fosse pra CCB.

    Ainda escrevo mais sobre isso...

    ResponderExcluir
  12. Acho que já falei, mas conheci uma moça que fora excluída da CCB por ter engravidado do namorado.

    Após ter casado, feito tudinho no papel, mesmo assim ela não foi aceita de volta.

    Ao conversar com ela e convidá-la para congregar em outra igreja sadia, ouvi de sua boca que SE NÃO FOSSE PARA VOLTAR PARA A CCB ELA NÃO IRIA EM NENHUMA OUTRA IGREJA, pois as demais eram seitas e SÓ A CCB ERA A IGREJA CERTA.

    Não adiantou argumentar, a lavagem cerebral já estava feita e muito bem enraizada em sua vida...

    ResponderExcluir
  13. O que eu vejo é que na CCB foi gerada uma série de mal-entendido, ensinamento "nada a ver", tipo telefone sem fio... E um dos motivos é esse estilo estranho de sair um enviado lá do centro do país pra vir cá no interiorzão do sertão, por exemplo, trazendo uma "ordem" que Deus deu pra fulano assumir "chefia" de tal igreja. E esse fulano não saber nem ler direito, quanto mais liderar um grupo religioso. Um cego levando outro cego caem os dois no buraco. Só pode dar nesses enganos terríveis. Ninguém me disse, eu mesma presenciei - e presencio- cada heresia, que só mesmo a misericórdia divina...

    Fora que a meca da CCB é o Braz, aqui mesmo vejo muita gente dizendo que vai - ou foi - pra lá, pra se renovar espiritualmente. Ora, como se Deus tivesse um endereço melhor do que outro, estivesse mais presente aqui do que ali. E outra: quer dizer então que se lá é onde se banha em águas espirituais, tadinho de quem não tem a menor condição de dar uma viajadinha até lá.
    Que troço mais esquisito... :(

    ResponderExcluir
  14. Ô varoa!

    E a tal da unção????

    kkkk!!!!

    ResponderExcluir
  15. Ir. Marcos disse
    Uma auto-sugestão do cérebro, diante de frases genéricas que se encaixam com a vida de qualquer um.

    E onde vc congrega vc crê na pregação?
    pq meu irmão, sem fé é impossível agradar a Deus...Deus colocou a sua palavra acima de todas as coisas. Agora se vc compara através de estudos isso ou aquilo vindo de algum pregador,
    sei lá, é estranho.. Isto é entre o pregador e Deus, pq a palavra tem q se cumprir...Ou vc acha q Deus não o teria tirado da frente do povo a tempos..

    ResponderExcluir
  16. Olá anônimo...

    Na boa, estamos discutindo assuntos de vida eterna, por qual razão não se identificar?

    Costumo sustentar de pé tudo o que falo sentado entende?

    Não entendi bem se seu comentário foi pra mim ou pro Marcos. Se foi para mim, congrego na Batista, onde a pregação da palavra é feita sobre base sólida, e não sobre revelamentos e profetadas feitas "baseadas" em um versículo aqui, outro acolá.

    Estranho um membro da CCB falar sobre a integridade da pregação feita tendo como base a PALAVRA...

    Anyway...

    ResponderExcluir
  17. A paz de Deus a todos

    Não foi pra ir. João Carlos, foi ir. Marcos mesmo...Ele tem q tomar pra não perder a fé....Sem fé, é impossível agradar a Deus...
    Mas já entramos no assunto de palavra, e a CCB não é novidade pra nunguém, já q uns são e outros foram membros...Sou a favor da palavra revelada....Pq se em 1 dia vc estiver com no pé e a palavra vim previamente estudada para dor na cabeça....vc sairá pior q entrou....como diz lá em corintios....Em parte sabemos e em partes profetizamos....pq a própria bíblia diz q nem tudo q foi pelo Senhor Jesus está escrito, pq não caberia.
    Fique com Deus

    ResponderExcluir
  18. *tomar cuidado
    caramba tô ficando velho...minha mente é via rádio, de vez em qdo perde o sinal e volta mais pra frente...

    ResponderExcluir
  19. João Carlos, vc é pastor?

    ResponderExcluir
  20. Anônimo, já tá na hora de você ter um nome!!!

    Não meu amigo, não sou um pastor (apesar de muitos assim acharem). Optei em não seguir este caminho...

    Um abraço!

    JC

    ResponderExcluir
  21. Ser um cristão verdadeiro, é ser CHIQUE...
    Digo, cristão verdadeiro..pq 80% q se dizem EVANGÉLICOS, são como sementes no meio de espinhos...Se os espinhos crescerem......sufoca a semente e não nascem.....

    SER CHIQUE SEMPRE

    GLÓRIA KALIL

    Nunca o termo "chique" foi tão usado para qualificar pessoas como nos dias de hoje.
    A verdade é que ninguém é chique por decreto. E algumas boas coisas da
    vida, infelizmente, não estão à venda. Elegância é uma delas.
    Assim, para ser chique é preciso muito mais que um guarda-roupa ou
    closet recheado de grifes famosas e importadas. Muito mais que um belo carro Italiano.

    O que faz uma pessoa chique, não é o que essa pessoa tem,
    mas a forma como ela se comporta perante a vida.

    Chique mesmo é quem fala baixo.
    Quem não procura chamar atenção com suas risadas muito altas,
    nem por seus imensos decotes e
    nem precisa contar vantagens,
    mesmo quando estas são verdadeiras.

    ResponderExcluir
  22. Chique é atrair, mesmo sem querer, todos os olhares, porque se tem brilho próprio.
    Chique mesmo é ser discreto,
    não fazer perguntas ou insinuações inoportunas,
    nem procurar saber o que não é da sua conta.
    Chique mesmo é parar na faixa de pedestre
    É evitar se deixar levar pela mania nacional de jogar lixo na rua.
    Chique mesmo é dar bom dia ao porteiro do seu prédio e às
    pessoas que estão no elevador.
    É lembrar do aniversário dos amigos.
    Chique mesmo é não se exceder jamais!
    Nem na bebida, nem na comida, nem na maneira de se vestir.

    Chique mesmo é olhar nos olhos do seu interlocutor.
    É "desligar o radar" quando estiverem sentados à mesa do restaurante, e
    prestar verdadeira atenção a sua companhia.
    Chique mesmo é honrar a sua palavra,
    ser grato a quem o ajuda,
    correto com quem você se relaciona
    e honesto nos seus negócios.
    Chique mesmo é não fazer a menor questão de aparecer,
    ainda que você seja o homenageado da noite!

    Mas para ser chique, chique mesmo, você tem, antes de tudo,
    de se lembrar sempre de o quão breve é a vida
    e de que, ao final e ao cabo, vamos todos retornar ao mesmo lugar,
    na mesma forma de energia.
    Portanto, não gaste sua energia com o que não tem valor,
    não desperdice as pessoas interessantes com quem se encontrar
    e não aceite, em hipótese alguma, fazer qualquer coisa que não te faça bem.

    Lembre-se: o diabo parece chique, mas o inferno não tem qualquer glamour!
    Porque, no final das contas, chique mesmo é ser feliz!

    Investir em conhecimento pode nos tornar sábios... mas amor e fé nos tornam humanos!

    ‎´A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam. Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passam por suas vidas.´ Clarice Lispector

    ResponderExcluir
  23. Sou vítima da lavagem cerebral Há 40 anos. Vi milagres? Sim,
    Tem Deus? Sim... Mas o mesmo remedio que cura um, pode matar o outro. Depende de como é administrado e da dose. Para minha família todos são da Ccb é bom. Para mim virou veneno. E a depressão e isolamento me dominaram a ponto de prejudicar minha família. E todos dizem ser falta de congregar. Nao consigo mais fazer vista grossa para os absurdos que acontecem. Estou numa situação delicada, tipo perto de ser taxada oficialmente de louca. Teoria da conspiração. Vejam a situacao: marido absolutamente dominado pela doutrina,não questiona NADA, e todos meus parentes são da CCB . Se eu assumir isso é me casamento nao suportar, sei que perco a Guarda do meu filho pois usarão meus atos no desespero... Sei que meu marido sente algo parecido, mas não admite por temor. Pois se não fosse Deus se usar da CCB para chamá lo, ele teria feito coisas terríveis e não é nem estaria vivo hoje.
    que argumentos, provas posso usar para meu marido admitir e sermos felizes?

    ResponderExcluir
  24. Prezada irmã,

    Não pense que vi seu comentário e o ignorei. Pelo contrário: Li, mostrei-o para minha esposa, temi e tremi na presença do Senhor, por saber se tratar de um assunto extremamente delicado.

    Ponderei muito e vou falar com você nos moldes que o Apóstolo Paulo costumava falar em alguns momentos em suas epístolas: FALO COMO HOMEM, e não como alguém que recebeu uma direção específica do Espírito Santo para te dar "os dez passos para deixar de congregar na CCB e não acabar com seu casamento".

    Uma das coisas que pensei foi a de - diante de sua autorização - apagar seu comentário e, sem o mesmo (para não te comprometer), você mostrar este texto ao seu marido, deixando-o tirar suas próprias conclusões. Isso, porém, talvez não alcançaria seu objetivo.

    Pensei também em conversar com algumas pessoas que eram da CCB para te aconselhar. Todavia, a grande maioria delas sairam tão machucadas da CCBja que se tornaram opositoras ferrenhas da mesma, E ESTA NÃO É MINHA INTENÇÃO. A CCB é uma benção PARA QUEM FOI CHAMADO PARA CONGREGAR LÁ. Entenda:

    Existem pessoas que sabem muito bem lidar com sua liberdade, sem cair em libertinagem, permanecendo firmes na presença do Senhor mesmo sem ter a necessidade de doutrinas, usos e costumes. Outras, infelizmente, precisam de "rédea curta" de sua liderança e da “fiscalização” de seus pares para não cair.

    O problema é que, com o tempo, o crescimento na Fé e o mover do Espírito Santo dentro de delas, começam a sentir que simplesmente "não cabem mais" naquilo que se convencionou chamar de "igreja" (faço diferenciação entre Igreja e igreja, com maiúscula e minúscula).

    No seu casamento, entendo que existem os dois casos. Por esta razão, sugiro que vocês comecem a buscar a presença do Senhor juntos, em casa (mas não deixando de congregar), partindo o pão e tomando o vinho informalmente (e não me entenda errado) pois isso é feito numa freqüência maior do que podemos notar. Às vezes num simples jantar, outras numa lanchonete, etc. O importante é que vocês passem a dar graças ao Senhor em tudo o que fazem (não que vocês não estejam fazendo isso) no cotidiano de vocês. A presença do Senhor tem que se tornar mais e mais natural fora do ambiente religioso.

    E é este exatamente o ponto que faz toda a diferença: Sentir claramente a presença do Senhor na "informalidade" (afinal de contas, Ele disse que onde dois ou mais estivessem reunidos em Seu Nome, ali Ele estaria). Com esta "descoberta" (O Senhor está presente até nos momentos considerados "seculares"???) começa a se desfazer o mito de que só podemos estar na presença do Senhor no templo ou entre os demais irmãos.

    E este é outro ponto delicado...
    (continua)

    ResponderExcluir
  25. (continuação)

    Muitas vezes nos sentimos confortáveis e seguros por fazer parte "do grupo". Somos "importantes", podemos agir e participar, falar e ouvir, abençoar e ser abençoado, etc e tal. Isso é perfeitamente normal. O problema é que, sem notarmos, muitas vezes nos tornamos dependentes deste grupo; ou por nos dar a sensação de liderança, ou por aplacarmos nossa carência de aceitação, ou por nos sentirmos seguros por estarmos sendo "cuidados".

    (Não sei se o que estou escrevendo está fazendo sentido até aqui, mas sei onde quero chegar...)

    Bem, o resumo de tudo isso é que é muito difícil para muitos (e para mim foi) romper com todos estes vínculos que nos deram apoio, segurança e direção por tantos e tantos anos para fazer a "carreira solo", digamos assim. O que quero dizer com isso é que é muito difícil para algumas pessoas lidar com a Liberdade que o Senhor nos dá e aprender a ouvi-lo no dia-a-dia. A própria Palavra diz que: " Ora, o Senhor é o Espírito e, onde está o Espírito do Senhor, ali há liberdade" - 2 Corintios 3:17. Aliás, esta passagem está num capítulo que está diretamente ligada a - entre outros casos - contexto da CCB. Leia o capítulo inteiro depois.

    Continue com ele na CCB, mas buscando o Senhor mais e mais em seu dia-a-dia com ele nas atividades corriqueiras. Não no sentido de parar no meio da rua para orar (a não ser que seja necessário, rs), mas você – em seu espírito – buscar esta Presença, para que seu esposo note a mesma e se sinta seguro e confortável também fora do templo.

    Este, entendo eu, é o primeiro passo. Paralelo a isso, evite discutir e “ofender” a CCB. Isso faria você “estar certa, mas perder a razão”. Não esqueça que o poder do “grupo” é acachapante e ele está sob esta influência, por mais que você note que ele não está tão confortável assim. Este passo que ele virá a dar não pode ser “na marra”. Ele vai ter que decidir por isso, libertando-se do passado que ele conseguiu “segurar” após passar a congregar.

    Por enquanto, ore. Eu estou orando desde o dia que você escreveu...

    PS: Esta conversa não acabou, aguardo seus comentários.


    ResponderExcluir
  26. Sugiro também a leitura de um livro que, pelo título, pode ser mal interpretado por alguns, mas que é uma bênção: "Por Que Você Não Quer Mais Ir à Igreja", de Wayne Jacobsen, Dave Coleman...

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...