Labels

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Sonhei, parte 2: "O Mago"


Eu já disse em outros posts que quando eu era criança eu era muito, muito bundão. Antes de deitar enfiava as beiradas do meu cobertor por baixo do colchão, deixando-o blindado, à prova dos monstros que habitavam embaixo de minha cama. Se me desse vontade de fazer xixi à noite eu preferia fazer na cama e tomar uma surra de minha mãe do que arriscar andar em território inimigo.

A forte impressão da presença maligna era quase tangível. Engraçado como quando somos crianças, nosso medo é tão grande que quase materializamos nossos monstros.

Numa noite qualquer fui deitar como de costume, protegido pela minha blindagem de cobertor. Apesar do calor, adormeci. Sempre tive muitos sonhos idiotas, mas naquela noite tive um pesadelo que me traumatizou.

Estava na rua de casa, soltando pipa. O vento soprava em direção a rua da feira, a melhor direção para soltar pipa perto de minha casa, pois era onde menos tinha fios de eletricidade. Vários pipas no ar, estava muito divertido. Laçávamos, cortávamos as linhas dos outros até que comecei notar que algo estranho estava acontecendo. Subitamente o vento começou a soprar em várias direções, e as pipas se esbarravam umas nas outras. Achei super bacana o vento estar soprando em várias direções, nunca tinha visto nada como aquilo. Só que, de repente, o céu escureceu e começou a trovejar muito.

Entrei em desespero e larguei a linha, tentando correr. Vários garotos correram para a Barraquinha, a lojinha de doces de um senhor que morava perto de minha casa. Quando alcancei a porta, a mesma se fechou em minha cara. Os trovões ficaram mais fortes e começou a chover muito. Eu estava desesperado. Quando decidi correr para minha casa apareceu diante de mim o Mago Merlin (eu viajo muito, já falei), com aquele chapéu pontudo, cheio de estrelas.

Ele se aproximou de mim e disse: “Vou te enterrar aqui”. Tentei correr, mas não consegui. Comecei a me arrastar em direção a porta da minha casa, mas me senti amarrado. Neste momento do pesadelo comecei a ficar naquele estado de ainda estar dormindo, mas começando a acordar. Chorava e soluçava muito, lutando com todas as forças por minha vida.

O bruxo se aproximou de mim e me tocou. Dei um grito e acordei, todo suado, com dores no corpo. A lembrança deste pesadelo me acompanhou por toda minha vida. No início me gerava muito medo, até o dia que cresci e, finalmente, conheci o Senhor.

Pode ser bobo para alguns, mas como tenho lembranças vívidas deste pesadelo, acabei tirando dele algumas lições...

A lojinha de doces era do “Seu Benedito”, um cristão que vivia falando de Deus com os meninos que freqüentava sua lojinha. Eu era um dos que não dava muito valor, queria apenas brincar. Ele ficava enchendo o saco com aquelas coisas da Bíblia. Já tinha muito trabalho em estudar para a primeira comunhão. Tinha que decorar rezas e trechos da missa e achava tudo ligado a Deus um saco.

Soltar pipa era para mim era uma das coisas que mais gostava de fazer. Esquecia de tudo, só pensava em me divertir. Como não ouvia o que o Seu Benedito me falava, não dei a devida importância à mudança súbita da direção do vento. Se eu o ouvisse, possivelmente poderia ter associado ao que está escrito em Mateus 24:29: “Logo depois da tribulação daqueles dias, escurecerá o sol, e a lua não dará a sua luz; as estrelas cairão do céu e os poderes dos céus serão abalados”. Estava vendo claramente que algo fora do normal estava acontecendo, mas por não ter conhecimento da Palavra apenas achei diferente, legal.

Quando escureceu tudo quis correr e me abrigar na Barraquinha, só que era tarde demais. Todos entraram e eu fiquei do lado de fora. O bruxo que apareceu era o meu maior temor. Em meu sonho, ele representava o dia do Juízo. E eu seria enterrado, pois nunca tinha dado ouvidos a Deus. Tentava fugir mas no sonho eu já estava julgado. Por isso não conseguia correr, meus pecados me aprisionavam e eu não consegui alcançar nem o portão da casa dos meus pais.

Graças a Deus que no sonho não cheguei a ser enterrado. Acordei antes, suado e chorando, a tempo de sempre me lembrar deste sonho e saber que devo estar atento a tudo o que não é natural. Pode ser um sinal de Deus que não pode ser ignorado.

Bobeira de criança? Talvez. Para mim porém, foi muito forte.

Reações:

3 comentários:

  1. Não acho que seja bobeira de criança.

    Se bem que, segundo os neurologistas, os sonhos que ficam na lembrança de maneira forte são aqueles dos quais você acorda em seguida, ficando inclusive a impressão de que aquele foi o único da noite quando na verdade foi um entre vários.

    A psicologia diz que a gente sonha geralmente com o que mais convive, sente, pensa, almeja,imagina; ou seja, o que ocupa nosso consciente/inconsciente, sei lá, um reflexo de nossas vivências do cotidiano, nossos anseios, ansiedades, medos, frustrações. (Corrija-me se eu estiver errada :P)

    Eu não sou psicóloga e ainda tenho pavor desse lance esotérico rss de "interpretar" sonho.

    Mas por outro lado,tem alguns raros que têm suas peculiaridades e esse certamente é um, com seus simbolismos e referencias.

    E como você mesmo disse, marcou.
    E tb é muito legal a analogia que vc faz. :) Isso é saudável e eu gosto disso.

    Quanto a dormir blindada acho que toda criança já usou esse mecanismo de defesa.

    Pior foi euzinha rss fazer isso já depois de adulta quando dormia sozinha em casa.
    Até que conheci o SENHOR, como você.

    Durante longo tempo da minha vida adulta eu sofri pra caramba silenciosamente com uma tal de síndrome do pânico, daí sempre estar dando toques nesse sentido em meus escritos e mais recentemente abordei isso de forma sucinta no texto "O Pão da Vida" que postei em novembro lá no meu blog.

    Então vc imagine a luta que travei durante longo tempo com a irrealidade dos meus medos e o que a minha lucidez que me dizia acerca do que havia aprendido de maneira forte e contundente desde a infância sobre crendice ser coisa de gente burra e ignorante.

    E só Deus mesmo pra nos libertar dessas doideiras todas que acorrentam nossa mente.

    Ah mas eu "falo" demais, daqui a pouco é outro texto rss foi mal :)

    Valeu pelo texto e pela coragem de se mostrar. Eu também sou assim rss

    Abs...

    R.

    ResponderExcluir
  2. Não tem coisa melhor do que ser transparente, pelo menos eu acho, rsrs

    Quando você se 'expõe', inspira os outros a colocar para fora suas dúvidas, seus medos...

    Depois que me converti, tive cada encontro com o diabo que você não imagina (depois olha uns posts anteriores, como "os trens assombrados da linha osasco x jurubatuba, parte 1 e 2", "porcos na sala", "meus 16 anos de vida" (onde falo sobre minha conversão), bem como outros causos que ainda não escrevi.

    Aí já era outra história: Estar do "lado certo" faz com que estes encontros não tragam medo nenhum. Pelo contrário! Mostra o quanto vale a pena servir ao nosso Senhor!

    Adoro seus comentários, realmente somos muito parecidos!

    Um grande abraço!

    JC

    ResponderExcluir
  3. "Qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que possui, não pode ser meu discípulo" (Lc 14,37). Os 11 discípulos respeitaram isto. Os primeiros cristãos também. Apenas Judas preferiu o dinheiro e a propriedade particular. Você se considera Judas, o traidor, ou discípulo? Se você se considera Judas temos algo em comum e muito a conversar.

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...