Labels

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A Deus o que é de Deus (pois o diabo mora nos detalhes...)


A vida, de tão simples que é, muitas vezes se torna complicada por pequenos detalhes.

Damos o que temos de melhor para a pessoa errada, mesmo que esta pessoa seja a pessoa certa, mas passa a ser errada pelo fato de estar sendo agraciada com algo que não é dela.

Agimos assim na inocência, sem discernirmos que a sobrecarga colocada nos ombros da pessoa, se for aceita, deixará de ser motivo de alegria e bênção e poderá se transformar em maldição para ela, para ambos...

Caso isso ocorra, a pessoa carregará algo que não a pertence. Isso a transformará em uma pessoa pior, pois estará de posse de algo que não é dela. De certa forma, agirão como dois ladrões.

Vem o silêncio, o distanciamento e a dor do sofrimento. No começo, não entenderão a razão da dor, pois como pode ser que aquilo que é bom se tornou em maldição?

E por que maldição? Pois tudo o que pertence a um não pode ter outro destino senão seu verdadeiro dono. Ele então, ao ver tudo isso, apenas irá silenciar. Já o doador enganado, bem como o recebedor, começarão a sentir o distanciamento daquele que ficou privado do que é seu por direito.

Começará então o lento e torturante processo de desgaste. O tempo passará e os dois sentirão que algo está errado, mas como houve consenso no processo, ambos sentirão o gosto amargo do erro sem contudo falar um ao outro.

Sem saber a razão, ambos estarão se distanciando do dono e começando a se acusar, não com palavras, mas com pequenas atitudes.

Um dos dois então identifica o erro, toma coragem e fala. Suas palavras são consideradas duras. O outro não entende a razão de estar ouvindo aquilo, já que sente que o outro está devolvendo algo que fora dado com a melhor das intenções.

O distanciamento então passa a ser entre ambos. E o verdadeiro dono do que fora dado erroneamente de um para outro assiste tudo, pacientemente.

A distância vai aumentando. Pequenas coisas que eram naturais entre eles passam a dar errado, a não funcionarem. Começam a se questionar então se estavam certos. Um por ter dado seu presente precioso ao outro; o outro questionando se agira certo ao devolver o que não lhe pertencia. Mas isso não é nada consciente, a batalha se desenrola em níveis não tangíveis.

Não suportando mais a falência do relacionamento, mais uma vez conversam. No começo são farpas, espinhos pontiagudos que são trocados. Ambos choram e por um breve momento chegam a acreditar que tomaram a decisão errada de se unirem naquela empreitada.

Não aguentando mais a pressão da condenação, resolvem conversar novamente. Só que desta vez decidem chamar o verdadeiro dono para participar da conversa.

E ele vem.

Sem muitas palavras, abraça os dois e deixa claro o quanto ele os ama. Sem impor sua vontade pela força, faz com que ambos vejam onde foi cometido o engano.

Encabulados, reconhecem que aquilo de mais importante só pode ser dado para quem realmente o merece. Lembram-se então dos primeiros passos e notam que em um determinado momento se deixaram amedrontar pelas circunstancias adversas, tomando então a decisão de unir as forças para encarar o desconhecido.

Sob a influencia de muito amor, ambos desfazem a longa trança feita de duas linhas só e a refazem, incluindo aquela que pode dar a verdadeira firmeza ao que os sustentará.

Agora sim. Todos estão novamente unidos, como deve ser, cada um carregando sua parte do processo, recebendo do outro o que é devido a cada um.

Houve então a cura!

Glória a Deus por tudo isso, que é o único que é digno de receber de nós, humanos falhos, pecadores, cheios de defeitos, o verdadeiro louvor e adoração.

“Dize-nos, pois, que te parece? É lícito pagar tributo a César, ou não? Jesus, porém, percebendo a sua malícia, respondeu: Por que me experimentais, hipócritas? Mostrai-me a moeda do tributo. E eles lhe apresentaram um denário. Perguntou-lhes ele: De quem é esta imagem e inscrição? Responderam: De César. Então lhes disse: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”. – Mateus 22.17-21

Reações:

6 comentários:

  1. Meu Deus que texto lindo. Paz irmão!

    ResponderExcluir
  2. Qualquer semelhança com fatos reais terá sido mera coincidência na vida de várias pessoas...

    (No meu caso não foi...)

    Rô, obrigado pelo incentivo!!!! Sou meio assim, intenso (risos)

    Beijo

    JC

    ResponderExcluir
  3. João,

    Muito legal essa coisa da relação humana. Só nos serve - e aos outros - quando nos despojamos de nós mesmos.

    Veja que chega um momento que não suportamos a pressão do silêncio, do distanciamento, do esfriamento.

    É quando rompemos conosco, com as nossas vaidades tolas, nosso ego; e, desarmados, vamos ao encontro do outro, despretensiosamente. E aí se dá o crescimento, o tal processo de maturidade.

    O nome disso é igreja.

    Parabéns!

    R.

    ResponderExcluir
  4. João,

    Texto pungente, verdadeiro, trazendo as dores e certezas de algo que certamente ocorreu. E ensina a nós que o lemos, pois, em certa medida, também passamos por situações semelhantes, vivenciando momentos assim "intensos".

    Caminhando, caminhando... tentando imitar ao mestre em tudo que fazemos. Tarefa difícil, mas o "tentar" já é gratificante.

    Grande abraço, meu camarada!

    Ricardo.

    ResponderExcluir
  5. Ricardo, Regina...

    Para bom entendedor, é isso mesmo!

    O mais intrigante é que a sensação de peso vem sem que inicialmente consigamos identificar a razão.

    Glória a Deus porém, que não nos deixa ficar em paz numa situação dessas!

    Forte abraço a todos!

    JC

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...