Labels

quinta-feira, 17 de março de 2011

Os trens assombrados da linha Osasco x Jurubatuba - parte II (again)



Depois do último post Deus começou a me cobrar algumas coisas... Segue um dos posts que ELE pediu para eu postar novamente... (creia se quiser!)


Me converti na Universal. Conheci Jesus e a Palavra, fui batizado na água e no Espírito, tudo muito rápido. Foi um pronto socorro espiritual, um desfibrilador, uma quimioterapia digamos assim... Inicialmente me fez um bem muito grande por ter me tirado da morte, mas não tinha como continuar por lá depois de um tempo. Neste comecinho já era fortemente direcionado pelo Espírito Santo.

Procurei a Renascer em Cristo. Outro clima, mais jovem, a presença de Deus muito forte também. A ‘Bispa’ Sonia pregava a minha vida. Dava a impressão que ela estava acompanhando cada passo que eu dava. Domingão e pá! O Espírito Santo revelava detalhes de meu dia-a-dia durante a ministração da Palavra. Mas o Espírito não me deixava confortável. Parecia me empurrar para frente.

Sentia que Deus queria cavar mais fundo, pois eu havia dado toda liberdade ao Espírito para me dirigir. Parecia carro velho, onde parava eu pregava.

Fui fazer uma visita à Assembléia de Deus, creio que o ministério do Belém, perto de casa. Deus falou muito comigo, mas foi apenas uma visita. Os usos e costumes foram a razão de minha não permanência por lá. Minha ‘ex’ teria que mudar o ‘look’ e achávamos que não era por ai. Ainda não era casado, apenas namorávamos e ela morava no Jaguaré, razão pela qual passava algumas vezes na semana pela estação de trem de lá.

Nesta estação trabalhava um irmão ‘fogo puro’ chamado Gessi. Quando começamos a conversar ele me disse que era da Congregação Cristã no Brasil e eu disse que era da Renascer em Cristo. Nossa amizade foi se tornando cada vez mais profunda. Este irmão era daqueles que só de olhar em seus olhos começa a profetizar. Deus falava muito comigo através dele, dava até aflição. Ele, no meio da conversa e do nada me olhava, parava e dizia: ‘É varão...’ ficava em silencio por uma fração de segundo e eu sabia que vinha bomba. Ele nem falava ‘assim diz o Senhor’. Falava em primeira pessoa: ‘Eu vou fazer tal coisa em tua vida amanhã’. A parada acontecia do jeito que ele falava, fora fatos e dúvidas que se passavam em meu íntimo e que Deus revelava a ele.

Em nossas conversas, um belo dia estávamos falando sobre nossas igrejas ele fez um convite para eu ir visitar a Congregação onde ele congregava (me perdoe pela aparente redundância). Aceitei o convite e fui com a minha ex no sábado. Ele nos recebeu na estação de trem de Carapicuíba (sim, é longe pra caramba, como diria o Jota Quest) e nos levou à casa dele. Apresentou-nos seus amigos, familiares, irmãos e fomos ao primeiro culto. Deus falou demais. Demais. Demaaaaaaaaiiiiiiiisssss. Foi maravilhoso, me batizei nas águas (já era batizado, mas Deus me quebrou as pernas lá), a ex também.

Voltamos do culto e fomos para a festa de noivado da filha dele. Muito guaraná e salgadinho, bolo e docinhos. Conheci mais irmãos, me senti em casa. Orávamos, louvávamos. Rolou umas profecias dizendo que não era para eu me casar com a Rosi, rolou uns papos fortes sobre doutrina (ela estava de calça de moleton), um monte de coisa. A mesma irmã que falou da maneira de se vestir foi tomada por Deus e usada para ministrar sobre a vida dela. Ela foi batizada no Espírito Santo aquela noite. No fim da festa rolou até um ‘pega-pra-capá santo’: Os irmãos ‘cheios do espírito (com ‘e’ minúsculo mesmo), começaram a quebrar disco de musica secular, televisão, garrafa de bebida... Até eu entrei na ‘unção’ do ‘vâmo quebrá tuuuddoooo’ e joguei uns discos do Raul Seixas pela janela, aff...

No dia seguinte, depois de mais algumas visitas a outras ‘Congregações’ nas redondezas (foi uma imersão o que fizeram conosco), nosso irmão nos levou até a estação de trem e nos perguntou se gostaríamos de nos tornar membros da Congregação. Decidimos que sim, pois havia sido diferente de tudo o que tinha acontecido até então, mesmo pagando o preço de termos que mudar drasticamente nosso estilo de vida, devido aos usos e costumes desta denominação.

Agora que o bicho pega: Tomamos o trem em Carapicuíba e vínhamos conversando sobre tudo o que tinha acontecido naquele fim de semana. É importante frisar que estávamos conversando baixo. O trem não tinha muita gente. Um rapaz que estava sentado no outro extremo do vagão se levantou, veio até nós e pediu licença para conversar. Ele aparentava ser um cara normal, não demonstrava ser algum bandido. Concordamos e ele sentou-se ao nosso lado. Apresentou-se (na verdade não lembro o nome) e perguntou:

‘Vocês são crentes?’

Estávamos à paisana, nem Bíblia estava à mostra. Respondemos como o pessoal da Congregação constuma dizer:

‘Pela graça e misericórdia de Deus, SIM.

Ele perguntou: ‘de que igreja?’. Respondi, cheio de orgulho:

‘Somos da Congregação Cristã no Brasil!’


Nisso, o rapaz arregalou o olho e disse:

‘Aahhhhh.... com vocês eu não posso não!’

Pausa na cena, ‘a lá Matrix’. Inspire, respire...

Eu olhei pra ele e já o chamei pelo nome:

‘diabo, você de novo...’

Já fui querendo expulsá-lo, pra variar. Ele disse para mim:

‘calma, não vou fazer mal nenhum a vocês. Na verdade eu MORRI EM 1967 e estou aqui apenas para conversar um pouco’.

Era ele mesmo, o rabudo. Continuamos ‘conversando’ (entenda: ele falava e eu ficava ordenando que ele se fosse, em nome de Jesus) até que ele se levantou e desceu em uma estação.

Assim que ele desceu, me virei para a Rosi e disse:

'Você viu só como ele ficou quando dissemos que éramos da Congregação? Ele disse que conosco ele não tinha poder nenhum! Agora sim, estamos na igreja certa!'


Levei-a em casa e nos sentamos na calçada por um momento para conversar a respeito de tudo o que iríamos fazer dali para a frente. Meu amor por Deus era (e é) tão grande que estava disposto a tomar a direção que Deus desse para minha vida, para meu ministério. Nisso, o vizinho começou a reclamar que estávamos sentados na frente do portão dele. Nos levantamos. Afinal de contas, éramos servos do Altíssimo e não deveríamos ficar sentados no chão. Meu coração estava cheio de orgulho pela ‘descoberta’ da igreja certa.

No dia seguinte pela manhã, estava indo para o banco (trabalhava na Nossa Caixa). Abri minha Bíblia ao acaso e comecei a ler. Não gosto de brincar com a Bíblia, como se fosse uma caixinha de promessas, mas não há como negar que de vez em quando Deus fala SIM desta maneira conosco. Ela se abriu em Gálatas, e comecei a tomar um tapão atrás do outro:

Gl 1:6-12 - Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho, o qual não é outro; senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema. Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? ou procuro agradar aos homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo. Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens; porque não o recebi de homem algum, nem me foi ensinado; mas o recebi por revelação de Jesus Cristo...

A cada linha que eu lia ficava mais e mais tenso. Será que ‘era Deus’? Será que era coincidência? Será que o diabo tava tentando me enganar? Continuei lendo. Caía em trechos falando assim:

Gl 2:3-7 – Mas nem mesmo Tito, que estava comigo, embora sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se; e isto por causa dos falsos irmãos intrusos, os quais furtivamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos escravizar; aos quais nem ainda por uma hora cedemos em sujeição, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós. Ora, daqueles que pareciam ser alguma coisa (quais outrora tenham sido, nada me importa; Deus não aceita a aparência do homem), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me acrescentaram; antes, pelo contrário, quando viram que o evangelho da incircuncisão me fora confiado, como a Pedro o da circuncisão...

Lia e chorava... Cada linha escrita pulava em minha cara. Viva e pulsante... Não era possível! Tinha acabado de sair de um final de semana maravilhoso perante Deus e havia decidido mudar totalmente minha trajetória. Tinha aceitado servir ao Senhor, mesmo sob uma doutrina pesada, cheia de regras, por amor ao Senhor! Peguei meu filho Isaac – minha LIBERDADE – e coloquei no altar em sacrifício. A presença do Espírito Santo era muito forte. Li mais e mais em Gálatas e entendi que não era aquilo o que Deus queria de mim... Abri em outro trecho da Bíblia. Meu queixo caiu mais ainda:

Cl 2:4 – Digo isto, para que ninguém vos engane com palavras persuasivas...

Cl 2:8 – Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo...

Cl 2:16 – Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados...

Cl 2:18 – Ninguém atue como árbitro contra vós, afetando humildade ou culto aos anjos, firmando-se em coisas que tenha visto, inchado vãmente pelo seu entendimento carnal...


Estava desesperado e ao mesmo tempo aliviado... O Espírito continuava derramando seu bálsamo:

Cl:2-20-23 – Se morrestes com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos sujeitais ainda a ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: não toques, não proves, não manuseies (as quais coisas todas hão de perecer pelo uso), segundo os preceitos e doutrinas dos homens? As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade fingida, e severidade para com o corpo, mas não têm valor algum no combate contra a satisfação da carne.

Era Deus e era comigo. Sei que toda Palavra é Deus, mas ali era direto para aquele assunto. Bati o martelo: Não ficaria na Congregação.

Encontrei-me no final do dia com meu irmão Gessi e ele perguntou se poderia me levar para ser apresentado em ‘minha comuna’, que significava a igreja próxima à minha casa. Respondi que não, pois não teria como servir a Deus sob a doutrina da Congregação. Ele caiu pra trás.

‘Depois de tudo o que Deus falou com você lá em casa neste final de semana você NÃO QUER ser apresentado na minha igreja?’


‘Não meu irmão, e você não sabe da metade do que Deus falou comigo DEPOIS deste final de semana!’


Expus as passagens da Bíblia a ele. Como ele é de Deus, por mais que tivesse ficado contrariado, entendeu. Relutou um pouco mas entendeu. Eu disse a ele exatamente as coisas que escrevi entre uma passagem e outra. Meu ministério era um, o dele era outro.

Por outro lado, depois disso tudo, fiquei sem chão. Apresentava a Deus minha angústia por não ter ainda encontrado A IGREJA onde serviria a Deus. Visitava uma aqui, outra ali... Chorava muito a respeito disso. Sabia que tinha que estar sob a autoridade pastoral. E o Espírito sempre me lembrava de uma passagem das Escrituras:

‘O filho do homem não tem onde reclinar a cabeça’...

Nesta época freqüentava assiduamente o Instituto Cristão de Pesquisas, que na época era presidido pelo grande Pr. Paulo Romeiro, que até hoje tem minha grande admiração e respeito. Benção pura, como diria o Pr. Jabes Alencar...

Ia lá direto pois, como tinha sido muito usado pelo inimigo antes de minha conversão, vivia no campo de batalha espiritual, evangelizando pra tudo quanto era tipo de seita, e o ICP era o local onde conseguia muito material para evangelismo e estudo.

Um dia apresentei esta minha necessidade de encontrar uma igreja sadia, que não fosse nem ‘farra do boi’ nem legalista demais. Equilibrada e santa. O Pr. Paulo Romeiro então, após perguntar onde eu morava, indicou a Assembléia de Deus Betesda, de seu amigo pessoal, PR. Ricardo Gondim.

Daí pra frente foi só alegria...

Para finalizar, gostaria de comentar uma coisa: A Congregação é uma benção para quem sente que lá deve servir a Deus. O Corpo de Cristo tem vários membros, todos com sua importância.

A astuta intenção diabo, ao usar aquele homem no trem e dizer através dele que não podia lutar contra mim pelo fato de agora (naquela época) eu ser um crente da Congregação Cristã no Brasil, era apenas de me engessar, me imobilizar e fazer com que eu não desse todos os frutos que Deus queria que eu desse.

Lá eu teria que lidar com usos e costumes, e assim esfriaria da fé ao cuidar do ‘não fazer isso, não comer aquilo, não vestir isso, não olhar para aquilo’. O orgulho que entrou em meu coração após aquela investida do diabo já deveria ter sido o suficiente para eu notar que tinha algo errado.

Satanás é um exímio estrategista, capaz de sacrificar umas peças para ganhar o jogo no final. Não podemos menosprezar suas estratégias sórdidas.

Agora véio, a parada é sinistra!

Reações:

15 comentários:

  1. Que isso cara,
    põe sinistra nisso...
    Se contarmos essa história pro M. Night Shyamalan* ele cria logo um filme de suspense/terror baseado nesse trem fantasma cara... rsrsrsrsrsrsrs!

    Falando (quase) sério, eu sei que temos tantas coisas pra passar na vida e passamos por tantas que Deus não queria que passássemos... mas como já te disse uma ou duas vezes, e sei que tu pensa parecido, cada coisa que passamos nos tranforma em quem somos hoje. Seja certo ou errado, creio que de uma forma ou outra, "Tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus"... e na tua vida não poderia ser diferente, cara!

    Ah, me avisa logo, se tiver mais dessas paradas loucas me manda o material que vou escrever a comédia da vida privada inspurada da vida de Joãozinho 42, o cara mais complexo e multifacetado da blogosfera!
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Te amo, cara!

    _____________________________________
    *M. Night Shyamalan é um diretor de cinema de nacionalidade indiana, que tornou-se famoso pelos sucessos de bilheteria como "Corpo Fechado" (Samuel L. Jackson, Bruce Willis), Sinais (Mel Gibson, Joaquim Phoenix), O Sexto Sentido (Bruce Willis, Haley Joel Osment) e muitos outros... sua mais recente película é a adaptação para a telona do famoso desenho da Nickelodeon "Avatar - o Último Mestre do Ar, a lenda de Aang".

    Wendel também é cultura.
    rsrs

    ResponderExcluir
  2. Ile W!!!!!!!!!

    Para cara, assim eu fico com vergonha... rsrs

    Velhinho, falando sério agora: Ontem a noite eu senti que deveria re-postar todos os textos sobre este assunto "sobrenatural" que algumas vezes deixamos de lado.

    Já aconteceu MUITA coisa comigo, no início o inimigo batia pesado para tentar me fazer desanimar...

    Vou postar tudo na sequência deste texto, não se apresse não.... :)

    Pena que não dá pra fazer um filme não, no máximo um pequeno documentário :(

    Um abraço meu querido irmão!

    JC

    ResponderExcluir
  3. J.C.

    Não me surpreendo com esse episódio, porque não foram poucas as vezes em que fui co-adjuvante desse teatro pseudo-espiritual. Ou seja, como diz o velho jargão: já vi esse filme sinistro, tenebroso...

    Por conviver com muitos familiares e amigos dessa denominação, ainda assisto vez em quando coisas assim, só que hoje, graças a Deus tenho discernimento. Mas não me esqueço nunca de como ficava impressionada com o quão sugestionado/hipnotizado ficava o povo da CCB com essa investida sutil do tinhoso.

    Eu ficava impressionada porque eu me intrigava comigo mesma me perguntando: por que só eu percebo que aí tem algo estranho? Eu sentia que havia algo dissonante mas não tinha "cacife" para definir exatamente o que era. Algo estava errado e eu não sabia exatamente o quê.

    O diabo é astuto, ele quer segregar pessoas e arranja as mais diversas formas para conseguir sucesso em suas investidas. E, se já existe um grupo que gosta disso, ele apenas "aperfeiçoa". É o que ele tem feito ao longo dos anos, enganando cada vez mais a um povo CEGO pelo orgulho e pela vaidade de pertencer a determinada denominação. Essa sim, é uma idolatria do jeito que o diabo gosta. Um povo cada vez mais "separado" que, ironicamente, diz adorar ao Deus e que traz enormes placas de "Em nome de Jesus" mas que contradiz o Evangelho de fora gritante, com suas heresias abomináveis aos olhos de Deus.

    Como disse Caio Fábio, certa vez, a mãe-deniminação é a Nossa Senhora dos evangélicos.

    Dá um filme, sim. Categoria? Suspense, terror, drama, ação, tudo junto.

    Lamentável...

    ResponderExcluir
  4. oops! Mãe-denominação (Affff esse meu teclado analfa rss)

    ResponderExcluir
  5. "... mas que contradiz o Evangelho de FORMA GRITANTE"

    (afff parte dois, esse meu teclado analfa rss)

    Não adianta esse teclado analfa me atrapalha porque eu releio e repito.

    E, quem sabe, repetir essa frase acima, de repente, foi urgente e necessário...

    ResponderExcluir
  6. Depois que inventaram o "teclado-analfa"....

    Bispita, você sabe que este texto é antigo. Deus me cutucou ontem a noite e tive que ir numa lan house para postá-lo novamente. Como disse ao Ile, vou colocar na sequência outros fatos marcantes em minha trajetória com Ele...

    Um beijo!

    JC

    ResponderExcluir
  7. Então...

    Antigo e assustadoramente atual!!!

    bj

    Mas a culpa é do teclado meizzz (isso de arranjar culpado tb é antiiiiiiigo e super atual rss)

    ResponderExcluir
  8. iapoizzz

    Sabe, tava aqui me lembrando daquele anônimo engraçado...

    É bem capaz de ele dar as caras hoje rsss

    ResponderExcluir
  9. pastorzim, se ligue que lá no meu blog tem algo pro sinhô...

    ResponderExcluir
  10. ó xente bispa, eu fui lá hoje várias vezes e não vi "nada" para mim!

    Vi os comentários que fizeram, um em especial que me deixou sem graça, do Ilê (sou muito tímido). Se for este coment eu só não comentei por isso (vergonha)...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. João Carlos, essa foi boa demais....Acho que temos algumas coisas em comum:Do ICP tbm fui assiduo leitor por conta de um pastor amigo meu aqui de Jundiaí que era palestrante e escritor de lá, o Márcio Falcão,o Paulo Romeiro e o Gondim que admiro como pensadores, a estação de trem da mini-série "SOBRENATURAL" pois sou nascido em Osasco e morei lá e em Carapicuíba tbm, minhã irmã que é casada com um pastor da Universal da qual toda minha família se converteu e depois se desconverteu para outras denominações, a CCB que tenho vários irmãos queridos lá onde também tive várias experiências enriquecedoras e ao mesmo tempo ilárias, mas o que me motivou mesmo escrever este comentário foi minha experiência ainda na direção de uma Igreja Batista aqui na região.Vc acredita em Fiat 147 que anda com oleo de fritura usado no motor e que ferve pelo menos uma vez por semana???!!!Pois é meu mano, essa é mais uma que vai dar filme se chegar aos olhares do Wendelll.Foi incrível, estava desempregado, tinha de ir fazer o "SANTO CULTO", e o meu "ONE FOUR SEVEN" que vazava cerca de 5 litros de oleo por semana e era alimentado com restos que eu ganhava das trocas de oleo, estava sem uma gotinha no reservatório.E aí, o que fazer???!!!Nessa hora, o "Espírito do Senhor" me envolveu, e senti uma direção para pedir a minha mãezinha querida o resto dos oleos que ela tinha das frituras de coxinha, risólis e quibe para introduzir no dito cujo reservatório do motor.Foi isso que fiz...Pra resumir, o 147 "UNGIDO DO SENHOR", andou desta forma durante 9 meses, todas as vezes que vusitava alguns irmãos, eles me ofereciam o resto do oleo que havia fritado o ovo ou o frango, e dessa forma o "bichinho" eu servíamos ao Senhor, hora fervendo o radiador, hora deixando um rastro atraente pras cachorradas por onde passava.Vou parar por aqui se não vai dar um best-seller antes do filme do Wendel.O fato é que tudo foi uma loucura,mas totalmente real e ilário, e que até hoje me rende boas gargalhadas e motivo de dar glória a Deus, mesmo sabendo que o oleo usado tem algumas propriedades lubrificantes como explicou uma mana que é química.Fala pro Wendel que o título fica por minha conta: "Se meu 147 falasse!", e o enredo por conta dele.E pra finalizar, só dando uma boa risada em Nome de Jesus!KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Valeu, um grande abraço, Franklin.

    ResponderExcluir
  12. J.C. se liga aê.

    Lá no finalzinho da página, do lado direito :P

    ResponderExcluir
  13. E a busca continua, companheiro!!!

    Sei que você busca a satisfação dos outros, ao lhes dar o 'bezerro de ouro'. Mas, será que isto é válido? Arão não levou uma 'chamada', por causa disto? Será que não é exatamente o posicionamento diferenciado, que eles necessitam ver? A comunhão plena Pai/filho em liberdade?

    Não quero lançar um fardo sobre você, com esse questionamento, mas, de repente, algo a ser buscado em oração para discernimento... (se não entendeu, conversamos em outro lugar)

    Paz e grande abraço! (encerramento sempre diferente rsssssss)

    ResponderExcluir
  14. Entendi sim! A ilustração do bezerro de ouro nem é a melhor que eu poderia utilizar mas foi a primeira que veio à cabeça.

    O lance era com a Cil, que agora já entendeu o que considero COMUNHÃO com os irmão, CONGREGAR com os irmãos.

    Eu tenho isso de uma maneira mais contínua, até pelo fato de blogar e me relacionar com gente como você e a patotinha do Café. Para ela já não é tão assim.

    Abraço titio!

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...