Labels

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Se eu falar que não aconteceu vou estar mentindo!


Alguns comentários valem a pena virar postagem. Aqui temos um "texto a três"...

Algumas vezes um texto gera uma polêmica tão desnecessária! PArece difícil para alguns crer que Deus não age da mesma maneira com cada um de seus filhos...

Alguns leitores, antes de pararem para ver a fonte de onde vem a informação tem credibilidade ou não, simplesmente começam sentar a ripa, mesmo sem saber se o que estão ‘julgando’ e verdadeiro ou falso. Tipo a multidão que nem sabia o que estava acontecendo a dois mil anos atrás e, movidos pela elite religiosa, começaram a gritar “crucifica-o! crucifica-o! crucifica-o!” contra um jovem Galileu, amigo meu de longa data.

Bom, aconteceu de novo. Escrevi como foram meus primeiros passos depois de minha conversão e choveram críticas. Caso queiram ler, clique aqui. Depois disso, fica fácil entender o que abaixo fora comentado.

Anônimo disse...

Estranho, vc diz ter ouvido Deus falar com vc na Renascer, Assembléia e Congregação. Lembre-se que o diabo também conhece nosso presente e pode se usar de outras pessoas para te confundir. Mas Deus é o único conhecedor do futuro. Tb desconfio desse Gessi. Nunca vi gente da Congregação quebrar discos, TVs etc, ou dar conselhos pra outra pessoa - visitante da igreja, como é o caso - sobre usos e costumes. Nem pra quem já frequenta a muito tempo isso não acontece, a pessoa muda sozinha, de acordo com o que se sente culpada. Muito menos perguntar se gostaria de se tornar membro após ter sido batizado. Ou dizer q ia te apresentar na igreja. Isso não existe. Acho q vc foi vítima de umas "profetadas", viu.

João Carlos disse...

Prezado "anônimo".

Primeiramente quero dizer que fica muito difícil discutir opiniões com alguém que não se identifica.

Testemunho aquilo que VI E VIVI. Se eu te falar todos os lugares onde Deus já falou e ainda fala comigo certamente você se escandalizaria. Ma ai que está o ponto: Onde você vai você leva Jesus com você? Ele pode usar até uma mula, lembra-se disso?

Quanto ao meu relato, ninguém me contou, não criei nenhuma fábula para ilustrar algum ponto de vista pessoal ou o que quer que seja.

Quanto a ser vítima de profetadas, saiba que ninguém é imune a isso mas, por outro lado, não sou tão neófito.

Volto a um ponto de seu comentário apenas para reforçar o que disse: Se você estivesse em Carapicuíba na da casa deles no dia que eu estava teria visto o que eu vi. Como não estava, peço respeitosamente que você limite-se a crer ou não crer.

JC


Adriana disse...


Anonimo,

Mostre a cara querido, aqui não é sinédrio, fique tranqüilo.

O Ednelson explicou direitinho como acontece, veja:
A Congregação Cristã, mais que uma instituição religiosa, constitui um "ethos", no qual seus integrantes se amalgamam (por prévia disposição) aos princípios e ditames norteadores de sua expressão COLETIVA... E, aliás, pelo que se pode depreender das "colocações" supra citadas, suas caracteristicas distintivas apresentam "traços" eminentemente individualizantes, em detrimento de uma concepção proeminentemente COLETIVA.

Em outras palavras, ninguém pede para vc fazer nada mas o poder do grupo é tão acachapante que em "minutos" vc começa acreditar que a graça é a CCB, orar só ajoelhado e etc.

Conheço a CCB e como a Regina reconheço gente boa de Deus que ali está e não poderia ser diferente, afinal Deus administra a Graça como ele quer, é prerrogativa Dele. A descrição do JC bate direitinho com muita coisa que eu vi e vivi em companhia de minha melhor amiga de infância. Contudo se alguém ainda duvida, quer colocar a prova, desacredita, recomendo uma leitura esclarecedora, o livro "Por trás do véu" Marcelo Ferreira ex-CCB.

No mais fico com o que Jesus disse e fez pois ele é a chave hermenêutica para interpretar a Escritura, se assim não for criaremos seitas onde o homem determina céu e inferno conforme sua deformidades.

abraços a todos


Adriana disse...

Puxa,

Esse "a pessoa se sente culpada" dá um texto e tanto, né moçada? Quando eu era religiosa eu sentia culpa por não ter um cabelo no pé, afinal com este tonhonhoin e sem as abençoadas progressivas, a irmãzinha aqui male-male tinha uma madeixa no ombro, eu me sentia no inferno.

A segunda coisa que de melhor me aconteceu: Sair da religião.
A primeira foi ser conhecida e conhecer Jesus.
Aquele que liberta!!! Oh Glória!!


Adriana disse...

Sr J. só anda com gente boa!!

Paulo Romeiro é um pastor ponta firme, gosto dele mesmo quando é radical. Fui duas vezes na igreja Cristã da Trindade e tenho todos os livros dele, autografados. Crusis quanto “orgulho religioso”! Ele te remendou simplesmente uma das igrejas mais sérias que eu conheço em SP,e vc sabe disso. Falem o que quiser, mas o RG é uma raridade no mundo. Paulo Romeiro foi um dos primeiros a defender, inclusive em programa de rádio, que a CCB é uma seita.


João Carlos disse...

Dri, bom te ver por aqui neste momento tão sublime...rsrs

Deixa eu reforçar meu 'sim sim, não não': Fora a pressão do grupo, que te induz a mudanças pelo 'way of life' que eles vivem, NÓS RECEBEMOS SIM, PRESSÃO EXPLÍCITA DE MUITOS DELES para que a Rosi colocasse uma saia da uma irmã, para sermos apresentados como membros, etc e tal.

O que escrevi acima foi feito com temor e tremor, na presença de Deus, Aquele que tudo sabe. Não acrescento nem retiro uma vírgula.

De resto, fico com as palavras de Paulo em Gálatas 6:17

"Daqui em diante ninguém me moleste; porque eu trago no meu corpo as marcas de Jesus".

Reações:

16 comentários:

  1. A carta de Paulo aos galatas é tão contemporânea.

    ResponderExcluir
  2. Não entendo por que parece tão difícil para alguns entenderem que o mundo não se limita ao quadradinho estreito em que foram criados...

    Já vi e vivi cada coisa no 'mundo espiritual' que dá até 'medo'. Mas foram coisas que aconteceram realmente, na maioria das vezes com outras pessoas como testemunhas (como se eu precisasse...)

    Quanto à carta de Paulo, só espero que não encarem como aqueles textos que os 'ungidos' utilizam para não serem tocados...

    ResponderExcluir
  3. Assitiu O livro de Eli?

    Fiote, se faz de tudo com as Escrituras, mas com a Palvra não há nada que possamos acrescentar.

    ResponderExcluir
  4. Ainda não, vou pegar.

    Digo "só espero que não encarem como aqueles textos..." em relação ao meu 'uso' dele...

    ResponderExcluir
  5. Vixi,João e Dri

    Cheguei atrasada? rs

    Hoje tive dia intenso! (Se é que há algum que não seja :)


    Afff li, li e não entendi nada do que o ilustre anônimo disse. E depois esse lance da pessoa não mostrar a cara eu já fico com o pé atrás, aliás os dois!

    Mas o "legal" de certos comentários é que a gente lê, lê, lê e não entende nada de nada mesmo, essa é a parte boa he he.

    Aí eu me lembro de um post recente do Confuso rs quando ele diz (mais ou menos assim) pra a gente evangelizar de forma simples como se falasse a crianças e adolescentes.

    A questão é que religiosos pretensiosos (e eu não me refiro a nenhuma denominação, mas a determinadas pessoas) acham que Deus só pode ser "encontrado" em lugares específicos(espaços físicos) e ali aprisionado para sempre.

    E vejam a que ponto chega a soberba espiritual. Dá nisso mesmo: em deformidades, como bem coloca a Dri lá no outro post.


    Ah e qto ao "livro" meu filho falou desse filme ontem à noite, tô querendo ver esse findi...

    Em relação ao quebra-quebra citado pelo anônimo eu também nunca vi nenhum líder espiritual fazer, mas o anônimo não me faça dizer o que vi e vejo, não, plizzz! Pois quebra-quebra velado e em nível mental é muito mais devastador...

    Lamentável mas real!

    :(

    ResponderExcluir
  6. João, você disse:

    "Não entendo por que parece tão difícil para alguns entenderem que o mundo não se limita ao quadradinho estreito em que foram criados..."

    Porém, lembre-se que foi a um Nicodemos culto e profundo conhecedor das LEIS, normas, regras, costumes e tradições, que Jesus disse "O vento sopra onde quer" e a história conta que ele ficou com cara de mané sem entender nadica de nada.

    Tá ligado?

    R.

    ResponderExcluir
  7. Livro de Gálatas contemporâneo? Nem me fale. O que falar de Romanos então? Quando leio o primeiro capítulo vejo uma descrição completa dos dias de hoje em SP!

    De anônimos para criticar todo blog que se preze está cheio! Como diz o pregador Luo: "Stay Strong!"

    ResponderExcluir
  8. Verdade Tiago.

    No livro Romanos - Uma carta para cidade, Ariovolado Ramos fala dessa jornada cristã no chão da vida, nestas bandas. Cai como uma luva.

    ResponderExcluir
  9. Ligadissímos, Regina.
    Vc chegou na hora certa

    abraço

    ResponderExcluir
  10. Tâmo na área, se derrubar é penalti, e o Juiz é nosso!

    ResponderExcluir
  11. Adriana

    Esse "a pessoa se sente culpada" tem a ver justamente com o que eu venho falando, pois é isso o que a teologia do medo faz nas pessoas.
    Dá um texto, aliás, dá um livro. Sinistro.

    Lamentável mesmo!

    R.

    ResponderExcluir
  12. Pastor e Dri,

    Achei que cabia aqui o texto que indiquei na última postagem do Café com Leite ( o último parágrafo eu adaptei, ousada que sou)

    "Liberdade dá vertigem.

    Quando eu ia muito a Bangu I—até duas vezes por semana durante dois anos e meio—ficava imaginando como seria quando aqueles apenados saíssem daquele bunkres fechados e sem sol.

    Dois anos depois o Secretário de Justiça me pediu uma lista de 12 dos mais bem comportados presos, a fim de que fossem transferidos para um presídio mais aberto, com sol e atividade no pátio.

    Indiquei os nomes. Eles foram transferidos. Uma semana depois fui visitá-los no novo presídio. O "Japonês", à época um dos dirigentes mais respeitados do chamado Comando Vermelho—e que fora posto na minha lista por já estar em Bangu I há muitos anos—me disse que a coisa mais difícil estava sendo lidar com o espaço. Ele sentia vertigens, desejo de pular, de cair, se segurava nas paredes para não se sentir engolido pelo céu, como se fosse subir...

    Naquele dia entendi o que a liberdade causa, não apenas sensorialmente, mas, sobretudo, psicologicamente.

    Quando a pessoa sai do “Bangu I da Lei”, do moralismo, das listas ascéticas de não toques, não proves, não sintas e não gostes...e mergulha na consciência de ser em Deus e conforme a Graça, é inevitável se sentir como quem saiu de uma cadeia.

    De fato Paulo disse que a Lei é para criminosos e transgressores. E por isto é assim que a alma se sente sob o jugo da Lei. A pessoa sente-se culpada e aprisionada. E quando a libertação chega, a pessoa fica se agarrando às paredes, com medo do espaço e da amplidão.

    Todos dizem que gostam de liberdade. Mas de fato pouca gente tem coragem para vivê-la. A maioria gosta de “falar no assunto”, mas quando recebe a chance de viver livre e de modo responsável e adulto na fé, sofre as vertigens da liberdade, e muitos retrocedem.

    É a vertigem dos Gálatas!

    Muitos que agora estão crendo no Evangelho de Jesus, e não mais na fabricação dele, conforme a "igreja", mas firmes na fé e sem se intimidar logo estarão tão calmos e seguros, que pensarão:

    "Como foi possível viver aprisionado tanto tempo?"

    Abs...

    R.

    ResponderExcluir
  13. Oops, indiquei foi na última postagem do blog do Jota, foi mauz :)

    ResponderExcluir
  14. Vertigem dos Gálatas simplesmente define tudo, aff!!!

    ResponderExcluir

Anônimo, eu não sei quem é você, mas o Senhor te conhece muito bem. Sendo assim, pense duas vezes antes de utilizar este espaço LIVRE (poderia bloquear comentários de anônimos mas não o faço por convicção pessoal e direção espiritual) antes de ofender quem quer que seja. Estou aberto para discutimos idéias sem agredir NINGUÉM ok? - Na dúvida, leia mil vezes Romanos 14, até ficar encharcado com a Verdade sobre este assunto...